Verizon planeja demitir cerca de 2.000 funcionários no Yahoo e na AOL

(Reuters) - A Verizon deve cortar cerca de 2 mil postos de trabalho quando completar a aquisição dos principais ativos do Yahoo por 4,48 bilhões de dólares na semana que vem, informou uma fonte familiarizada com a questão.

Os cortes devem acontecer nas unidades AOL e Yahoo e representam cerca de 15 por cento dos funcionários das duas. Cerca de 14 mil pessoas trabalham para Yahoo e AOL.

Muitos dos que serão demitidos ficam na Califórnia e, outros, fora dos Estados Unidos, segundo a fonte, que pediu para não ser identificada porque o assunto ainda não é público.

Acionistas do Yahoo aprovaram nesta quinta-feira a venda da empresa, segundo resultados preliminares de assembleia geral.

A maior operadora móvel dos EUA está combinando recursos de pesquisa, email e envio de mensagens do Yahoo com ferramentas de tecnologia de publicidade da AOL, que comprou em 2015 por 4,4 bilhões de dólares. A Verizon espera que o vídeo móvel e a publicidade sejam novas fontes de receita fora do mercado de telefonia móvel.

A compra marca o fim do Yahoo como uma empresa autônoma, que já chegou a ser avaliada em mais de 100 bilhões de dólares.

AOL e Yahoo comporão um novo empreendimento chamado Oath, liderado pelo diretor executivo da AOL, Tim Armstrong.

A Verizon aposta que pode usar dados de mais de 200 milhões de visitantes mensais em sites do Yahoo e combiná-lo com dados de 150 milhões de usuários mensais da AOL e sua própria base de usuários de mais de 100 milhões de assinantes móveis para oferecer serviços mais direcionados para anunciantes.

O acordo vem após investidores ativistas liderados pela Starboard perderem a confiança na presidente Marissa Mayer, contratada em 2012, e terem forçado a venda dos principais ativos da empresa. Ela não deve seguir no Yahoo após a conclusão da venda.

O Yahoo ainda é uma das maiores empresas da internet, com centenas de milhões de clientes usando seus serviços de e-mails, finanças e esportes. Em fevereiro de 2016, o Yahoo anunciou que cortaria 1.600 funcionários, ou 15 por cento de seus funcionários.

O fechamento do negócio foi adiado, já que as empresas avaliaram as consequências de dois vazamentos de dados do Yahoo.

O Yahoo revelou em dezembro que os dados de mais de 1 bilhão de contas de usuários foram comprometidos em agosto de 2013. Isso seguiu-se a uma divulgação separada de que pelo menos 500 milhões de contas foram afetadas em uma violação de 2014.

(Por David Shepardson)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos