Com poucos profissionais de TI no país, start-ups israelenses recrutam no exterior

TEL AVIV (Reuters) - Impulsionada por start-ups, a indústria de tecnologia de Israel é o setor que cresce mais rapidamente no país, representando 14 por cento da economia e 50 por cento das exportações.

Mas a escassez de trabalhadores coloca sua posição na vanguarda da tecnologia global em risco, com consequências para a economia e emprego.

A Autoridade de Inovação do governo prevê a falta de 10 mil engenheiros e programadores na próxima década em um mercado que emprega 140 mil pessoas. Israel perdeu seis posições em três anos, para o 17º lugar, no ranking do Fórum Econômico Mundial sobre facilidade de encontrar empregados qualificados em tecnologia.

O principal motivo para o déficit é a queda acentuada no número de cientistas da computação, matemáticos e estatísticos graduados, caindo do pico de 3 mil em 2005 para pouco menos de 1,6 mil em 2008. Além disso, os estudantes perderam o interesse em carreiras tecnológicas e as aplicações universitárias declinaram.

Entre as medidas para estimular o crescimento de profissionais no país, o governo israelense está preparando 500 vistos para estudantes estrangeiros que estudam ciência e engenharia em universidades do país. Eles podem ficar para trabalhar em empresas de tecnologia por um ano.

Start-ups de Israel estão olhando para o exterior, sendo a Ucrânia o principal destino com cerca de 100 centros de desenvolvimento israelenses. As companhias de Israel também têm recrutado profissionais em outros países europeus, como a Polônia e a Bulgária.

(Por Tova Cohen)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos