Demanda por seguro cibernético na Grande China deve saltar após ataque de vírus WannaCry, diz AIG

Por Julie Zhu

HONG KONG (Reuters) - A demanda por seguro contra ataques cibernéticos de empresas na Grande China e em outros lugares da Ásia está prestes a subir, tendo em vista o número de consultas recebidas após o ataque do vírus "WannaCry" no início deste ano, disseram executivos da American International Group (AIG).

A seguradora norte-americana viu um salto de 87 por cento nas consultas sobre as políticas de seguro cibernético em maio em comparação com abril para a Grande China, incluindo Hong Kong, como resultado direto do ataque WannaCry, enquanto o aumento global foi de 38 por cento, disseram.

"O grande aumento significa que as organizações estão conscientes de que realmente precisam de proteção", disse Cynthia Sze, chefe de um negócio da AIG na Grande China que vende produtos para empresas que lidam com violações cibernéticas. Executivos da AIG recusaram-se a fornecer detalhes sobre os números ou a dizer quantas consultas realmente resultaram na venda de apólices de seguro..

O vírus WannaCry infectou mais de 200 mil computadores em 150 países em maio.

Uma típica política de seguro cibernético pode proteger as empresas contra a extorsão, como ataques de ransomware, em que os computadores são "sequestrados" pelos hackers e os usuários só conseguem acessá-los após pagamento de um resgate. Também poderia cobrir os custos da investigação e pagar o resgate.

"O WannaCry realmente mudou a dinâmica. Nós costumávamos atingir grandes empresas multinacionais, que entendem onde está a exposição. Agora estamos realmente falando sobre mercado intermediário e pequenas e médias empresas", disse Jason Kelly, chefe de liabilities e linhas financeiras da AIG para a Grande China, Australásia e Coréia do Sul.

(Por Julie Zhu)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos