Pressão dos EUA por um comércio eletrônico mais livre no Nafta encontra resistência crescente

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Uma proposta dos Estados Unidos para que o México e o Canadá aumentem consideravelmente os limites de compras online que podem ser importadas livre de impostos em lojas como Amazon.com e eBay está se tornando um ponto de tensão para uma próxima renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, na sigla em inglês).

Setores vulneráveis como calçados, têxteis e varejistas com lojas físicas no México e Canadá estão pressionando contra a proposta norte-americana para aumentar os limites mexicanos e canadenses de importação isentas de impostos para o comércio eletrônico ao nível dos EUA de 800 dólares, ante os atuais 50 dólares norte-americanos e 20 dólares canadenses, respectivamente.

Para os mexicanos, a principal preocupação é que o movimento poderia abrir espaço para importações baratas vindas da Ásia e outras regiões fora do bloco. Para os varejistas canadenses, o medo é que as empresas de comércio eletrônico cortem seus preços.

A proposta norte-americana lançada em julho é parte de um dos objetivos do governo de Donald Trump para renegociar o tratado de 25 anos. Enquanto os membros estão formulando suas respostas, o México se inclina fortemente para recusar o projeto em sua forma atual, e talvez o Canadá não esteja muito atrás.

(Por Sharay Angulo)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos