Motoristas do Uber fazem protestos contra projeto de lei

BRASÍLIA (Reuters) - Centenas de motoristas do aplicativo de transporte urbano Uber protestaram nesta segunda-feira contra uma legislação que pode obrigá-los a se submeter às mesmas regras de operação de taxistas, que precisam de licenças municipais para trabalhar.

O presidente-executivo do Uber, Dara Khosrowshahi, chegou ao Brasil para fazer lobby contra o projeto de lei que deve ser votado pelo Senado na terça-feira e que ameaça o modelo de negócio da empresa no país. A legislação também ameaça rivais como a Cabify, que afirmou em mensagem a seus usuários que o projeto de lei é "um retrocesso urbano, pois pode inviabilizar o uso dos aplicativos de transporte".

O Brasil é o terceiro maior mercado do Uber, com 17 milhões de usuários. O município de São Paulo gera mais viagens para o serviço do que qualquer outra cidade no mundo, à frente até mesmo de Nova York e Cidade do México, de acordo com a companhia.

A companhia também trava uma batalha para manter suas operações em Londres, após o regulador de transporte da cidade ter considerado o aplicativo inadequado para atuar como um serviço de táxi e se recusou a renovar sua licença de operação.

A polícia disse que 800 motoristas do Uber participaram de manifestação no centro de Brasília para protestar contra o projeto de lei, que muitos dizem que inviabilizaria seu trabalho. Protestos semelhantes aconteceram em São Paulo e no Rio de Janeiro.

"O modelo de negócios que temos hoje não seria mais viável", disse o diretor de comunicação do Uber no Brasil, Fabio Sabba.

A empresa diz ter pago 495 milhões de reais em impostos federais e municipais neste ano até agora.

O projeto de lei já foi aprovado na Câmara e, se aprovado pelo Senado, vai para sanção presidencial.

(Por Anthony Boadle)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos