Wal-Mart se aproxima da Amazon.com nos EUA em guerra de preços online

Por Nandita Bose

CHICAGO/SÃO FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - O Wal-Mart Stores está próximo de ter preços online iguais aos da Amazon.com pela primeira vez, em um marco importante em estratégia da gigante varejista norte-americana para recuperar o título de "líder de preço baixo".

O Wal-Mart investiu agressivamente desde o início do ano para tornar seus preços mais competitivos em relação às lojas físicas concorrentes. Agora, a redução da diferença de preços está visível também em uma ampla gama de categorias de produtos online, de acordo com um estudo de preços realizado para a Reuters, bem como entrevistas com especialistas, consultores de varejo, fornecedores e fontes de empresas.

Os preços no Walmart.com são agora apenas 0,3 por cento mais caros que os da Amazon, em média, de acordo com o estudo da empresa de análise de dados de varejo Market Track, que analisou os preços de 213 produtos em 11 categorias ao longo de 700 dias findos em 7 de novembro de 2017.

Em comparação, os preços online do Wal-Mart eram 3 por cento mais altos que os da Amazon em média nos primeiros 350 dias que terminaram em 7 de novembro de 2016, de acordo com o estudo. Essas mudanças indicam que o Wal-Mart conseguiu reduzir os preços online em várias categorias de produtos consistentemente, em vez de promover descontos temporários.

Preços consistentemente mais baixos são fundamentais para aumentar as vendas ao longo do ano. A Cyber Monday, nesta segunda-feira, dia mais movimentado do ano para compras na Internet, ofertas online e promoções temporárias, ofuscará os preços para ambos os gigantes do varejo.

"Estamos empenhados em termos preços online iguais ou mais baixos que outros sites importantes", disse o porta-voz da Wal-Mart, Dan Toporek. Ele disse que para alguns itens, o varejista agora exibe dois preços online para mostrar aos compradores quando eles podem obter um preço mais baixo retirando o pedido em uma loja, mas se recusou a comentar mais sobre a estratégia de preços da empresa.

A porta-voz da Amazon, Kate Scarpa, disse que nada mudou na abordagem da varejista para oferecer preços baixos aos clientes. "Os preços da Amazon são tão baixos ou mais baixos do que qualquer outro varejista e trabalhamos arduamente todos os dias para garantir aos clientes que isso seja verdade", disse ela, recusando-se a comentar mais sobre a estratégia de preços do varejista.

Os cortes de preços consistentes são uma das várias medidas que o Wal-Mart está tomando para impulsionar seu negócio de comércio eletrônico, incluindo a expansão de suas ofertas online, a aquisição de rivais online menores, como a Jet.com, e oferecendo frete gratuito de dois dias. "O que começamos a ver recentemente é o Wal-Mart reduzindo a diferença com a Amazon até um ponto onde ... os consumidores não podem mais distinguir a diferença", disse Burt Flickinger, diretor-gerente da consultoria de varejo Strategic Resources Group.

O Wal-Mart investiu mais de 1 bilhão de dólares no ano passado para tornar seus preços mais competitivos, com o lucro sendo afetado para garantir preços online mais baixos, disseram analistas.

Até agora, a estratégia está dando frutos. As vendas online do maior varejista do mundo cresceram no último trimestre 50 por cento em relação ao ano anterior, ajudando a empresa a registar o maior crescimento trimestral da receita nos Estados Unidos em quase uma década.

Mesmo com esse progresso, o Wal-Mart tem um longo caminho a percorrer. A participação da Amazon no comércio eletrônico dos EUA é de 43,5 por cento.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos