Google prevê novos formatos de anúncios para campanhas publicitárias voltadas a aplicativos

SÃO PAULO (Reuters) - O Google, da Alphabet, prevê uma expansão das modalidades de anúncios voltados para aplicativos em 2018, apoiado em esforços no aprendizado de máquinas para torná-las mais eficientes para os anunciantes.

De acordo com representantes da companhia, a Universal App Campaign (UAC), que hoje é o principal produto de publicidade para aplicativos da companhia, focará em explorar novos formatos de anúncio, principalmente no YouTube e na Play Store - loja de aplicativos do Google.

"Ano que vem a gente vai continuar otimizando e introduzindo novos formatos (de anúncios) na Play Store, que é uma grande área de foco para a gente, e YouTube também", disse Carlos Façanha, gerente de produtos do Google no Brasil.

Uma possibilidade que vem sendo estudada é a exibição de anúncios para aplicativos em vídeos de seis segundos exibidos no YouTube antes do conteúdo que será visto pelo usuário, acrescentou.

Nos últimos três meses, o número mensal de downloads de aplicativos motivados pelo UAC no Brasil saltou 50 por cento, para 20 milhões, segundo dados fornecidos Google. No cenário global, o programa corresponde a 50 por cento de todos os downloads de aplicativos derivados de anúncios.

A companhia também pretende otimizar a atuação do UAC com aprendizado de máquinas, tecnologia fundamental para funcionamento do próprio programa e outros produtos de publicidade do Google, como o Smart Bidding - que utiliza informações como termos buscados, produtos visualizados e tipo de dispositivo utilizado para acessar o buscador para direcionar anúncios e calibrar orçamentos de campanha levando em conta os consumidores mais adequados aos objetivos da empresa anunciante.

A ferramenta, que faz parte dos produtos AdWords - voltados a anúncios no buscador -, hoje é utilizada por 72 por cento dos anunciantes brasileiros, disse a companhia.

Para 2018, o Google Brasil prevê desempenho alinhado ao que a companhia tem apresentado globalmente, mantendo o foco na receita publicitária, que é a principal fonte de recursos do Google no mundo. No último trimestre, a receita da Alphabet, holding do grupo, saltou 24 por cento, impulsionada por crescimento de anúncios em dispositivos móveis.

(Por Natalia Scalzaretto)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos