Comissão dos EUA aprova revogação de regulamentação da neutralidade de rede

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - A Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos votou nesta quinta-feira pela revogação das regras de 2015 destinadas a garantir uma internet gratuita e aberta, estabelecendo uma disputa judicial que poderá reformular o panorama digital.

A aprovação, por 3 votos a 2, da proposta do presidente da comissão, Ajit Pai, marca uma vitória para os provedores de serviços de telecomunicações como AT&T, Comcast e Verizon Communications e lhes confere poder sobre o conteúdo que os consumidores podem acessar.

Celebridades de Hollywood, políticos democratas, e empresas como Google e Facebook pediram a Pai, um republicano nomeado pelo presidente norte-americano, Donald Trump, para manter as regulamentações da era de Obama vigentes, impedindo os provedores de serviços de bloquear, diminuir o acesso ou cobrar mais por determinados conteúdos.

Defensores dos consumidores e grupos comerciais que representam fornecedores de conteúdo afirmaram que planejam levar o caso à Justiça visando a preservação dessas regras.

O procurador-geral de Nova York, Eric Schneiderman afirmou em um comunicado que liderará um processo judicial de vários Estados para contestar a revogação. Ele chamou a votação de "um golpe para os consumidores de Nova York, e para todos os que se preocupam com uma internet gratuita e aberta".

Pai argumentou que as regras de 2015 sufocavam a concorrência e a inovação entre os prestadores de serviços.

"A internet não estava quebrada em 2015. Não estávamos vivendo em uma distopia digital. Pelo contrário, a internet é talvez a única coisa na sociedade norte-americana em que todos concordamos que tem sido um sucesso impressionante", disse ele nesta quinta-feira.

Os provedores de serviços de internet dizem que não bloquearão ou limitarão o acesso ao conteúdo legal, mas que poderão se engajar em prioridades pagas. As empresas dizem que os consumidores não verão mudanças e argumentam que a internet, em grande parte não regulamentada, funcionou bem nas duas décadas antes da regulamentação de 2015.

Michael Powell, ex-presidente da comissão, que lidera um grupo de comércio que representa grandes operadoras de telecomunicações, disse a jornalistas que os provedores de Internet não vão bloquear conteúdo porque não faz sentido econômico e os consumidores não apoiariam.

A Casa Branca disse que apoia a decisão da Comissão Federal de Comunicações para revogar as regras de 2015 que visavam garantir internet livre e aberta, mas acrescentou que continuará a apoiar o amplo acesso à internet.

"O governo apoia os esforços da FCC e, ao mesmo tempo, a Casa Branca certamente apoiou e sempre apoiará uma internet livre e justa", disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, a jornalistas.

"A neutralidade da rede é o mais recente ponto aos eleitores de que o governo está mais preocupado em fazer o que as grandes empresas querem que ele faça", disse Jesse Ferguson, estrategista democrata.

(Por David Shepardson)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos