Banco central de Israel rejeita bitcoin: "é um ativo, não uma moeda"

  • Reprodução

O banco central de Israel informou nesta segunda-feira que não reconhece as criptomoedas, como o bitcoin, como moeda real e que é difícil elaborar regulamentos para monitorar os riscos dessa atividade para os bancos do país e seus clientes.

A vice-presidente Nadine Baudot-Trajtenberg disse que houve reclamações públicas de que os bancos israelenses estão dificultando a transferência de dinheiro das contas de alguns clientes para comprar bitcoin. Mas isso é algo que o banco central não é capaz de resolver. Outros bancos centrais enfrentaram o mesmo problema.

"A posição do Banco de Israel é que elas (moedas virtuais) deveriam ser vistas como ativo financeiro", disse Baudot-Trajtenberg em uma reunião do comitê de finanças do parlamento de Israel, observando que não há qualquer responsabilidade do governo para com os investidores em bitcoin.

O banco central, disse Baudot-Trajtenberg, está estudando a questão das criptomoedas, mas não há muito a aprender com o que existe globalmente, pois nenhum regulador em qualquer lugar do mundo emitiu diretrizes para o sistema bancário sobre como agir em relação às atividades dos clientes em moedas virtuais.

"Há uma dificuldade real na emissão de diretrizes abrangentes ao sistema em relação à maneira correta de estimar, gerenciar e monitorar os riscos inerentes a essa atividade", disse ela. "Além dos riscos para o cliente também há riscos de conformidade para o banco."

O valor de um bitcoin, a maior e mais conhecida criptomoeda, subiu em meados de dezembro para quase 20 mil dólares, então caiu para menos de 12 mil dólares no fim de dezembro. Nesta segunda-feira, a moeda era negociada em torno de 15,3 mil dólares.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos