UE planeja imposto de até 5% da receita bruta para grandes empresas digitais

Por Francesco Guarascio

BRUXELAS (Reuters) - A Comissão Europeia quer taxar as receitas das grandes empresas digitais com base em onde os usuários estão localizados e não onde as companhias têm sede, em uma taxa comum entre 1 e 5 por cento, mostrou um documento provisório da Comissão.

A proposta, vista pela Reuters, visa aumentar a conta de imposto de empresas como Amazon, Google e Facebook que são acusados ​​por grandes países da UE de pagar muito pouco reencaminhando os lucros que obtém no bloco para países onde a tributação é menor, como Luxemburgo e Irlanda.

O plano se assemelha a uma proposta francesa sobre um imposto de compensação que foi apoiado por vários Estados da UE. No entanto, é provável que enfrente a oposição de países pequenos que temem tornar-se menos atraentes para empresas multinacionais.

O documento diz que o imposto deve ser aplicado a empresas com receitas acima de 750 milhões de euros (922 milhões de dólares) em todo o mundo e com receitas digitais da UE de pelo menos 10 milhões de euros por ano.

A proposta está sujeita a alterações antes da sua publicação, que é esperada na segunda quinzena de março. Alguns dos principais valores sobre taxas e limiares estão entre colchetes, mostrando que o trabalho ainda está em andamento para definir os números finais.

As empresas que vendem anúncios online direcionados pelo usuário, como o Google, ou fornecendo espaço de propaganda na Internet, como Facebook, Twitter ou Instagram, estarão sujeitas ao imposto, disse o documento, citando essas empresas.

Os mercados digitais, como a Amazon e gigantes da economia, como a Airbnb e a Uber, também se enquadram no escopo do projeto de proposta, disse a Comissão.

Mídia online, serviços de transmissão como Netflix, jogos online, computação em nuvem ou serviços de TI estariam isentos do imposto.

A taxa seria aumentada nos países da UE onde os usuários estão localizados, em vez de onde as empresas estão sediadas, diminuindo o apelo de Estados menores que têm baixa tributação.

"Isso implicaria requisitos de relatórios adicionais para que as autoridades fiscais dos Estados-membros possam calcular quanto do imposto é devido em sua jurisdição", diz o documento.

No caso dos anunciantes online, o imposto deve ser cobrado "onde o anúncio é exibido" e "onde os usuários que forneceram os dados que estão sendo vendidos estão localizados".

Para compras online, o imposto seria cobrado em países "onde o usuário que paga para poder acessar a plataforma (ou para concluir uma transação dentro da plataforma) está localizado", diz o documento.

A taxa seria calculada sobre as "receitas brutas agregadas" de uma empresa e deveria ter uma taxa única da UE "na média de 1 a 5 por cento". Seria possível deduzir este imposto como um custo dos impostos corporativos nacionais.

O imposto seria uma medida temporária que só seria aplicada até que uma solução mais abrangente para uma tributação digital justa seja aprovada, disse a Comissão.

A solução a longo prazo implicaria a adoção de novas regras sobre um "estabelecimento permanente digital".

A proposta, uma vez finalizada, precisaria da aprovação de todos os Estados da UE.

(Por Francesco Guarascio)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos