Amazon constrói máquina de influência em Washington para resistir aos ataques de Trump

Por Ginger Gibson

WASHINGTON (Reuters) - Entre lobby, contribuições de campanha e se posicionando como empresa engajada em questões políticas como a criação de empregos, a Amazon.com tem procurado por um relacionamento positivo tanto com a Casa Branca quanto com o Congresso norte-americano que ajudará a empresa a resistir ao mais recente ataque do presidente norte-americano, Donald Trump.

A empresa provavelmente não se surpreendeu quando Trump fez criticas a ela por meio do Twitter nesta quinta-feira, já que o presidente já havia feito isso anteriormente de maneira semelhante. A decisão do fundador da Amazon, Jeff Bezos, de comprar o The Washington Post também alimentou a ira de Trump.

Ainda assim, a Amazon não parece ficar de fora da Casa Branca desde que Trump assumiu o cargo; um funcionário do escritório da empresa em Washington participou de um evento organizado na semana passada pela primeira-dama, Melania Trump, para discutir segurança cibernética e tecnologia.

Divulgações da Amazon indicam que a empresa fez lobby na Casa Branca sobre vários tópicos, incluindo imigração, segurança cibernética e drones.

Manter um quadro de lobistas se tornou rotina para grandes empresas que correm o risco de ter todo o seu negócio perturbado por possíveis ações legislativas ou de regulamentação.

A Amazon emprega cerca de 15 lobistas, de acordo com divulgações enviadas ao Senado dos Estados Unidos. Além disso, a empresa trabalha com cerca de 15 empresas de lobby externas, cada uma designando mais lobistas para trabalhar em nome da companhia.

A Amazon tem ampla exposição a várias partes do governo norte-americano capazes de regular suas operações comerciais - desde as regras da aviação federal que afetam os drones até a supervisão de legislação sobre concorrência.

A maior varejista online também está trabalhando agressivamente para obter contratos governamentais para fornecer serviços de armazenamento de dados a agências federais. Atualmente, a Amazon tem um contrato de 600 milhões de dólares para hospedar dados para a agência de espionagem norte-americana, a CIA.

A Amazon investiu 15,4 milhões de dólares em lobby em Washington em 2017 ante 12 milhões em 2016.

(Por Ginger Gibson)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos