Grupos de defesa do consumidor devem prestar queixa contra reconhecimento facial do Facebook

(Reuters) - Um grupo de direitos civis e alguns de defesa do consumidor informaram nesta sexta-feira que vão prestar queixa junto à Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) alegando que o uso de técnicas de reconhecimento facial pelo Facebook ameaça a privacidade dos usuários.

A rede social foi alvo de críticas após ter sido revelado que a consultoria política Cambridge Analytica, que trabalhou para a campanha presidencial de Donald Trump, teve acesso a dados pessoais de até 87 milhões de usuários de Facebook.

As técnicas de reconhecimento facial são usadas pelo Facebook para ajudar a marcar amigos em fotos na plataforma de mídia social.

"Escanear imagens faciais sem o consentimento afirmativo expresso é ilegal e deve ser intimado", informou o Electronic Privacy Information Center (EPIC).

As pessoas podem escolher se permitem ou não essa tecnologia e podem mudar de opinião a qualquer momento. Quando alguém desativa essa função, não usamos a tecnologia para identificá-los na foto, disse o vice-chefe de privacidade do Facebook, Rob Sherman.

Em 2011, o Facebook encerrou uma disputa com o FTC sobre acusações relacionadas a privacidade, que foram levantadas pelo EPIC.

O EPIC e grupos de direitos do consumidor informaram nesta sexta-feira que o uso de ferramentas de reconhecimento facial pelo Facebook também viola os termos do acordo de 2011.

(Por Muvija M)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos