Xiaomi incentiva fornecedores de componentes para smartphones a investir na Índia

Por Sankalp Phartiyal

MUMBAI (Reuters) - A chinesa Xiaomi disse que gostaria que seus fabricantes globais de componentes para smartphones se instalem na Índia, o que provavelmente levará até 2,5 bilhões de dólares para o país da Ásia do sul, além de criar até 50 mil empregos.

O esforço da Xiaomi pode impulsionar a política do primeiro-ministro indiano Narendra Modi, "Faça na Índia", que visa adicionar dezenas de milhões de novos empregos e transformar a terceira maior economia da Ásia em um centro global de manufatura.

A Xiaomi, que deve fazer uma grande oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) mais tarde neste ano, tem atualmente seis fábricas de smartphones na Índia. A empresa recebeu mais de 50 de seus fornecedores globais em Nova Délhi em uma cúpula de investimentos nesta segunda-feira, que também contou com a presença de importantes autoridades do governo.

Se os fornecedores presentes na cúpula se instalassem na Índia, um mercado importante para a Xiaomi, a Índia atrairia 2,5 bilhões de dólares em investimentos e geraria até 50 mil empregos, disse a companhia.

A empresa chinesa destronou a rival coreana Samsung Electronics e conquistou a o primeiro lugar no mercado indiano de smartphones - o segundo maior do mundo.

Este anúncio ocorre uma semana depois de Nova Délhi ter imposto taxa de importação de 10 por cento em alguns componentes-chave do smartphone, incluindo placas de circuito impresso. O país do sul da Ásia é o segundo maior mercado da Xiaomi depois da China.

(Por Sankalp Phartiyal)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447745))

REUTERS SI RBS

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos