Chinesa ZTE tem lucro recorde para o 1º tri, mas proibição dos EUA turva perspectiva

HONG KONG (Reuters) - A chinesa ZTE, alvo de sanções dos Estados Unidos impostas na semana passada, divulgou nesta sexta-feira um aumento de 39 por cento no lucro líquido do primeiro trimestre, devido a vendas melhores de equipamentos de telecomunicações e de consumo.

O resultado, o maior lucro líquido para o primeiro trimestre da ZTE, é o primeiro desde que os Estados Unidos proibiram as empresas norte-americanas de vender componentes para a empresa chinesa por sete anos.

O governo dos EUA disse que a ZTE desrespeitou um acordo para punir funcionários depois que a empresa despachou mercadorias norte-americanas para o Irã, violando as sanções dos EUA. A ZTE disse que a proibição é inaceitável e ameaça a sua sobrevivência.

A ZTE disse na sexta-feira que é difícil avaliar o impacto da proibição de vendas nos EUA no seu mais recente resultado financeiro.

"O conselho de administração e os diretores da empresa não podem garantir a veracidade, exatidão e integridade do conteúdo do primeiro relatório trimestral de 2018", disse a ZTE sem dar detalhes.

O lucro entre janeiro e março chegou a 1,69 bilhão de iuanes (267 milhões de dólares), ante 1,2 bilhão de iuanes no mesmo período do ano anterior, disse a ZTE em comunicado à bolsa de valores de Shenzhen.

A ZTE, segunda maior fabricante de equipamentos de telecomunicações da China, depois da Huawei Technologies, adiou a divulgação de seus resultados na semana passada, enquanto avaliava o impacto da proibição norte-americana.

A proibição também levou à suspensão ainda em vigor da negociação das ações da ZTE das bolsas de Hong Kong e da China continental

Os gestores de fundos mútuos chineses, desde então, cortaram o valor das ações da ZTE em seus portfólios em 20 a 30 por cento.

Estima-se que as empresas norte-americanas forneçam de 25 a 30 por cento dos componentes usados ​​nos produtos da ZTE, como smartphones e equipamentos de rede de telecomunicações.

Dias depois da proibição, fontes disseram à Reuters que os promotores de Nova York estão investigando se a Huawei violou as sanções dos Estados Unidos contra o Irã.

A ação dos EUA provavelmente exacerbará ainda mais as tensões com a China sobre comércio, em um momento em que as duas maiores economias do mundo ameaçam uma a outra com dezenas de bilhões de dólares em tarifas, alimentando a preocupação de uma guerra comercial que pode afetar as cadeias globais de suprimentos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos