Acordo da Qualcomm com NXP ainda está compasso de espera na China, dizem fontes

Por Michael Martina e Adam Jourdan

PEQUIM/XANGAI (Reuters) - A proposta de 44 bilhões de dólares da Qualcomm pela rival NXP Semiconductors ainda precisa ver um avanço concreto na China, disseram fontes, diminuindo as esperanças de que a tensão comercial com os Estados Unidos teria levado Pequim a acelerar sua decisão sobre o acordo.

A aprovação da China provavelmente dependerá do avanço de discussões comerciais mais amplas, disseram três fontes com conhecimento do acordo, enquanto importantes autoridades chinesas e norte-americanas se reúnem esta semana em Washington para sua segunda rodada de conversas de alto nível.

Eles fizeram pouco progresso aparente nas discussões em Pequim no início deste mês. O embaixador dos EUA na China disse nesta terça-feira que os dois países ainda estão "muito distantes" na resolução de atritos comerciais.

Washington e Pequim propuseram dezenas de bilhões de dólares em tarifas nas últimas semanas, alimentando preocupações de uma guerra comercial que poderia prejudicar as cadeias globais de fornecimento e reduzir os planos de investimentos das empresas.

A aquisição da NXP pela Qualcomm ficou no meio das tensões comerciais. O acordo recebeu aprovação de oito dos nove reguladores globais necessários, com a autorização chinesa sendo a única pendente.

As ações da NXP subiram na segunda-feira após uma reportagem afirmar que a China havia retomado a revisão do acordo e que o Ministério do Comércio havia recebido a solicitação de acelerar o processo.

Isto aconteceu após a promessa do presidente dos EUA, Donald Trump, no domingo, de ajudar a chinesa ZTE a "voltar ao negócio", após uma proibição norte-americana prejudicar a fabricante de equipamentos de telecomunicações, sinalizando um degelo nas relações comerciais.

No entanto, duas fontes disseram à Reuters que não houve mudanças externas no processo de revisão que está em andamento desde que a Qualcomm reformulou seu pedido para o acordo em abril.

Não há novos sinais claros desde o domingo apontando para uma iminente aprovação do acordo, disse uma das fontes.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos