Planos do Google na China levanta preocupações de parlamentares dos EUA

Por David Shepardson e Paresh Dave

(Reuters) - Um grupo bipartidário de 16 parlamentares dos Estados Unidos perguntou ao Google, da Alphabet, na quinta-feira se a empresa cumprirá as políticas chinesas de censura e vigilância na internet, caso o site de busca volte ao mercado chinês.

O questionamento aumentou a pressão sobre o Google para divulgar precauções que seriam necessárias para proteger a segurança de seus usuários se os reguladores chineses permitirem que seu mecanismo de busca opere no país.

Mais de mil funcionários do Google, seis senadores norte-americanos e pelo menos 14 grupos de direitos humanos escreveram para a empresa mostrando preocupação com suas ambições na China.

Na véspera, Jack Poulson, pesquisador que trabalhou para o Google por mais de dois anos, disse que renunciou por achar que a empresa não estava honrando o compromisso com os direitos humanos ao projetar uma versão censurada do aplicativo de busca.

Poulson disse à Reuters que os executivos não especificaram qual seria o limite da empresa para aceitar as exigências chinesas. "Infelizmente, a resposta praticamente unânime ao longo de três semanas foi: 'Eu também não sei'", disse Poulson.

O Google se recusou a comentar diretamente a carta dos legisladores ou as renúncias de funcionários, mas disse em comunicado que "investiu por muitos anos para ajudar os usuários chineses" e descreveu seu "trabalho em mecanismos de pesquisa" como "exploratório" e "não próximo de lançamento".

Na carta, os legisladores dos EUA perguntaram se o Google "garantiria que cidadãos chineses ou estrangeiros residentes na China, incluindo norte-americanos, não sejam vigiados nem segmentados por meio de aplicativos do Google".

A Reuters publicou no mês passado que o Google planeja buscar aval do governo para fornecer uma versão de seu mecanismo de busca na China que bloqueia alguns sites e termos de busca.

(Por David Shepardson e Paresh Dave)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos