Senadores dos EUA pedem que Google explique atraso em divulgar vulnerabilidades

Por David Shepardson

(Reuters) - Três influentes senadores dos Estados Unidos pediram nesta quinta-feira que o Google, da Alphabet, explique por que demorou em divulgar vulnerabilidades encontradas em sua rede social Google+.

A empresa afirmou nesta semana que desativou a versão para usuários do Google+ e vai tornar suas políticas de compartilhamento de dados mais rígidas, depois de revelar que os dados de perfil privado de pelo menos 500 mil usuários podem ter sido expostos a centenas de desenvolvedores externos.

A carta do senador John Thune, que preside o Comitê de Comércio, e de dois outros senadores que presidem subcomissões - Jerry Moran e Roger Wicker - pediu que o Google explique o atraso na divulgação da violação.

"O Google deve ser mais acessível ao público e aos legisladores se a empresa quiser manter ou reconquistar a confiança dos usuários de seus serviços", disse a carta.

A empresa não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A carta também questionou se a vulnerabilidade foi revelada anteriormente a alguma agência federal, incluindo a Comissão Federal de Comércio dos EUA, e se houve "incidentes semelhantes que não tenham sido divulgados publicamente".

O presidente-executivo do Google, Sundar Pichai, concordou no mês passado em testemunhar diante de um painel da Câmara dos EUA em novembro, após uma reunião com legisladores.

A empresa reconheceu que havia cometido erros anteriores em questões de privacidade em um testemunho escrito perante o Comitê de Comércio do Senado no mês passado, mas não citou a vulnerabilidade do Google+.

Os três senadores republicanos disseram estar "especialmente desapontados" com o fracasso do diretor de privacidade do Google, Keith Enright, em divulgar a questão.

Os legisladores norte-americanos também pediram que a empresa entregue um memorando, relatado pelo Wall Street Journal no início desta semana, em que o Google teria dito que um fator para não divulgar o assunto anteriormente foi que a vulnerabilidade atrairia "interesse regulatório imediato" e seria "quase (certo)" que Pichai teria que testemunhar perante o Congresso. Os senadores chamaram o memorando de "perturbador".

Violações maciças de privacidade de dados comprometeram as informações pessoais de milhões de usuários de redes sociais nos Estados Unidos, enquanto o Congresso e a administração do presidente norte-americano, Donald Trump, estão procurando maneiras de criar novas proteções nacionais de privacidade.

(Por David Shepardson)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos