Smartphone: veja dicas de como comprar o seu primeiro celular inteligente

Ana Ikeda
Do UOL, em São Paulo

  • Arte UOL

    Febre dos smartphones: com tantos aparelhos à venda, decisão do consumidor tem de se basear no principal uso que fará do aparelho e no preço (salgado) cobrado por ele

    Febre dos smartphones: com tantos aparelhos à venda, decisão do consumidor tem de se basear no principal uso que fará do aparelho e no preço (salgado) cobrado por ele

Você só ouve falar deles: seu amigo comprou um, o colega de trabalho trocou por outro novo, o filho pediu de aniversário. É a febre dos smartphones, celulares que trazem facilidades como acesso à internet e redes sociais, rodam aplicativos e funcionam praticamente como um “minicomputador”.  Só no ano passado, cerca de 9 milhões de smartphones foram vendidos no país. Mas você realmente precisa de um? Qual modelo escolher entre centenas à venda? Veja a seguir algumas dicas sobre como comprar seu primeiro celular inteligente:

Mas... que raio é um smartphone?

Você simplesmente não entende o frisson que cerca os tais “smartphones”. Afinal, seu celular faz e recebe ligações e mensagens de texto, troca arquivos via Bluetooth com os amigos, tem uma câmera que dá para o gasto. Mas, e a internet?

De 2010 para 2011, segundo a consultoria IDC, o número de smartphones vendidos quase dobrou no Brasil – foi de 4,8 milhões para 9 milhões. Esse aumento pode ser explicado, principalmente, porque as pessoas estão cada vez mais buscando conexão: querem poder acessar a internet, de onde estiverem e a qualquer momento.

Com um smartphone – aparelho (em muitos casos) mais barato que um tablet e mais “portátil” que um note ou netbook – a internet vai parar dentro do bolso da calça. Você acessa seus e-mails, suas redes sociais, publica atualizações, checa notícias, busca informações, sem precisar de um computador. E seja lá onde estiver, basta o aparelho estar conectado à internet móvel 3G ou a uma rede sem fio (Wi-Fi). É essa praticidade que acaba conquistando um número crescente de usuários de celulares básicos.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a diferença de um celular básico e um smartphone, acompanhe aqui uma explicação de representantes de duas das principais fabricantes do setor

Qual é meu perfil?

Antes de “sair à caça” do seu smartphone (sim, porque essa é uma tarefa que exige muito esforço e paciência), é preciso identificar quais seriam os principais usos que você faria de um aparelho desses. Além de acessar a internet, os smartphones também trazem outros recursos:

- Aplicativos (que são como programas de computador) que já vêm instalados ou que você pode instalar ou comprar. Podem ser de redes sociais, notícias, negócios, produtividade, música, etc.

- Jogos (muitos jogos) para todos os gostos e idades.

- Câmera para foto e vídeo com qualidade superior à de celulares básicos. Em alguns modelos, há duas câmeras: traseira, mais potente, e a frontal, para chamadas com vídeo.

Veja alguns perfis de usuário de smartphone:

 

Quais são os sistemas operacionais?

Smartphones possuem, assim como computadores, sistemas operacionais próprios, responsáveis pela interface entre as funções desempenhadas pelo aparelho e o usuário. Os três principais são:

Sistemas operacionais

Android iOS Windows Phone
Feito pelo Google, está presente em smartphones de várias fabricantes. A versão mais atual é a 4.0 (ou Ice Cream Sandwich), mas versões antigas ainda são as mais usadas Desenvolvido pela Apple, o sistema operacional está presente no iPhone 3GS, 4 e 4S, no iPad e iPod Touch. A versão mais atual é a iOS 5.1.1 Da Microsoft, o sistema foi completamente repaginado em 2010 pela empresa, que lançou a versão Windows Phone 7. Está presente em aparelhos da Nokia, HTC, Samsung e LG
Prós: se você já é usuário assíduo do Google, a sincronização de dados com o smartphone é simples e rápida, basta usar seu login. Transferência de arquivos do computador para o aparelho é mais fácil. Loja já tem 450 mil aplicativos Prós: sistema intuitivo e simples, com central de notificações, sistema de mensagem gratuito entre dispositivos Apple e sincronização via Wi-Fi, além de 500 mil opções de aplicativos Prós: informações são organizadas em ícones quadrados ou blocos, que mostram sempre informações atualizadas; o sistema também agrupa as informações dos seus contatos (telefone, redes sociais, e-mail) em um único lugar
Contras: Como cada fabricante pode adaptar a interface do Android, cada aparelho tem um sistema com cara diferente. Se você gostou do que viu em um Samsung, por exemplo, isso não se repete em um aparelho de outra fabricante Contras: você precisa criar uma conta Apple, ter um computador com o iTunes ou usar o iCloud (armazenamento remoto de arquivos) para transferir conteúdo para o celular Contras: apesar de possuir aplicativos do Office, você não consegue mover um arquivo desse tipo do computador para o smartphone e abri-lo (precisa usar o SkyDrive); a loja Marketplace tem 70 mil aplicativos

 

Qual é o perfil dos smartphones?

Agora que você já tem em mente (mais ou menos) o que vai fazer com seu smartphone, é mais fácil escolher um de acordo com o perfil do aparelho. Existem três faixas de smartphones, geralmente as fabricantes buscam lançar produtos que atendam a elas (exceto Apple):

- Basicões: são smartphones menores em tamanho (com tela de aproximadamente 3,5 polegadas) e em potência (trazem processadores menos rápidos, de núcleo simples). Em geral, possuem câmeras mais fracas, que não passam dos 5 megapixels e capacidade de armazenamento por volta de 8GB. Preço: em média, até R$ 800.

Smartphones também têm preços que cabem no bolso
Veja Álbum de fotos

- Intermediários: como diz o nome da categoria, as configurações desses aparelhos ficam no meio termo entre opções completíssimas e as mais simples. A tela em geral tem tamanho por volta de 4 polegadas, mas o poder de processamento já é melhor (alguns poucos modelos usam chip de dois núcleos). Quem gosta de tirar fotos bacanas tem à disposição câmeras com resolução entre 5 e 8 megapixels;  armazenamento é de cerca de 16 GB. Preço: em média, entre R$ 800 e R$ 1.500.

- Top de linha: para consumidores exigentes, que querem smartphones que não vão estar ultrapassados em pouco tempo, existem modelos que trazem o que há de melhor, com sistemas operacionais em sua última versão e hardware “caprichado”. No Brasil, eles ainda são dual-core (modelos com processador de quatro núcleos devem chegar em breve). Nas lojas, você encontra smartphones com tela grande (cerca de 5 polegadas), câmeras com resolução acima de 8 megapixels e armazenamento de até 64GB. Preço: em média, acima de R$ 1.500.

 

 

Grana: aparelho e internet custam caro

Mesmo tendo escolhido um smartphone que tem mais a sua cara, o preço dele, no entanto, nem sempre tem a cara do seu bolso... Ou mesmo que você tenha R$ 2 mil para investir, gastar essa quantia em um aparelhinho pode parecer um gasto um tanto absurdo. Ou ainda, não é porque você está comprando seu primeiro smartphone que necessariamente tem de optar pelo modelo mais simples e barato.

Uma boa escolha nesses casos são aparelhos “velhos”. Como assim? Explicamos: quando o iPhone 4S foi lançado, os preços de modelos anteriores caíram (como o iPhone 4 e o iPhone 3GS). O mesmo deve ocorrer, por exemplo, com o Samsung Galaxy SII, com a chegada do SIII em junho ao Brasil. São smartphones que, quando lançados eram “tops de linha”, então em nada perdem para um modelo intermediário que acaba de chegar às lojas.

Além do preço do aparelho, é preciso levar em consideração o gasto que você terá caso opte por um plano de internet móvel com a sua operadora de celular. Atualmente, é possível contratar planos pré-pagos de internet, mas eles têm algumas restrições (limite de velocidade e de consumo de dados trafegados na rede móvel). Confira aqui algumas dicas sobre esses planos e fique atento sobre as restrições de áreas cobertas pela operadora escolhida para o serviço 3G.

 

Teste antes de comprar

Você prestou atenção nas especificações técnicas e no preço. Mas e o design? Aliás, em alguns casos o aparelho é tão “bonito” que você nem presta atenção no restante. Para alguns consumidores, isso realmente é um ponto importante na decisão.

Se você é mulher, provavelmente não vai querer comprar um smartphone grandão, de 5 polegadas, que não cabe no bolso da calça e fica difícil manusear com uma mão só.  Se você é homem, um celular pequenino pode causar dificuldades na hora de mexer na tela touch. Ou ainda, o aparelho não tem um acabamento tão refinado -- fotos de publicidade também “enganam”.

Essas dúvidas infelizmente só são respondidas quando testamos o aparelho. Mesmo que você vá aproveitar alguma promoção de uma loja virtual, tente visitar uma loja física para conhecer o aparelho de perto e depois compre pela internet. Aproveite e veja algumas dicas do que é relevante observar no smartphone na loja.

Comprou? Aproveite seu smartphone com as dicas abaixo

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos