Reinaldo Canato/UOL

UOL Testa: Celulares

Note 7 é uma potência explosiva; UOL testou aparelho antes de recall

Do UOL, em São Paulo

Após estar envolvido em diversos casos de explosão e passar por um recall envolvendo pelo menos 2,5 milhões de unidades, o Galaxy Note 7 volta a ser vendido a partir desta quarta-feira (28) na Coreia do Sul e na Europa. As vendas do aparelho nos Estados Unidos também são retomadas aos poucos.

O lançamento da sul-coreana estava previsto para chegar ao Brasil em setembro, mas foi suspenso em meio à polêmica mundial e ainda não foi divulgada uma nova data.

O problema tomou conta dos noticiários e chegou até a ofuscar as qualidades do top de linha da Samsung, que o UOL Tecnologia testou antes mesmo dos primeiros casos de explosão da bateria vierem à tona. Não há como negar que ele é uma potência de alto nível, que tem grandes chances de ser um dos principais concorrentes do recém-lançado iPhone 7.

Com tela de 5,7 polegadas, o Note 7 não só herdou o refinado acabamento do Galaxy S7 edge, como também o seu potente processador octa-core Exynos 8890. Também se apropriou da tecnologia Dual Pixel do Galaxy S7 --lançado no início do ano--, que aliada a maior abertura do sensor (F 1.7), passa a ser mais sensível à luz e garante melhores fotos mesmo em ambientes com pouca iluminação.

Mas apesar da inovação, o sensor da câmera principal reduziu de 16 MP (do Note 5) para 12 MP. A câmera continua filmando com a alta resolução 4K. Possui ainda HDR --tecnologia que melhora o contraste da imagem-- para fotos e vídeos. Já a câmera frontal manteve a resolução de 5 MP. Vale lembrar que os megapixels não estão relacionados diretamente à qualidade das fotos.

A maior novidade do Note 7, no entanto, é a tecnologia de reconhecimento de íris, que desbloqueia o aparelho ao ler a íris dos olhos do usuário a partir de um raio infravermelho. Não quer dizer que o aparelho tenha descartado a tecnologia de reconhecimento de impressões digitais, que --assim como no Note 5, e nos Galaxy S6 e S7-- está presente.

É ainda o primeiro aparelho da linha a ter resistência a água (capaz de resistir a uma submersão de 1,5 metro por 30 minutos)  e a substituir a entrada Micro USB pelo novo conector USB Type-C, de conexão de dados mais veloz e de entrada simétrica (tanto faz o lado em que você liga o cabo). Além disso, a sua característica S Pen também ganhou mais funções, que incluem a tradução de palavras em 37 idiomas e a criação de Gifs em poucos cliques.

O Note 7 conta ainda com 4 GB de memória RAM e 64 GB de armazenamento interno, com memória expansível via cartão microSD de até 256 GB --recurso que tinha sido extinto na versão anterior.

Bateria é a grande vilã

O grande problema do Note 7 está na bateria de 3.500 mAh (com carregador sem fio), que é a principal responsável pelos casos de explosão envolvendo o aparelho.

"Com base na nossa investigação, descobrimos que havia um problema isolado com a célula de bateria", justificou a Samsung à Bloomberg . "O superaquecimento da célula de bateria ocorreu quando ânodo e cátodo entraram em contato um com o outro, evidenciando um erro muito raro no processo de fabricação."

A Samsung informou na última terça-feira (27) que mais de 60% dos dispositivos vendidos na Coreia do Sul, Estados Unidos e Europa teriam sido recuperados. Mas,nesse mesmo dia, um homem chinês disse que seu smartphone Note 7 teria explodido menos de 24 horas após a sua compra. Fato que gera dúvidas sobre se os problemas da Samsung Electronics com baterias incendiadas estão se espalhando para as versões mais novas do aparelho.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos