Essa startup quer fazer você largar o fogão para sempre

Breno França

Colaboração para o UOL

  • Divulgação

A experiência de cozinhar sempre foi muito romantizada. Uns dizem que a cozinha é o melhor lugar da casa. Outros tratam as receitas de família como herança. Mas a verdade é que cozinhar também pode ser uma experiência bem frustrante, o que acaba levando muita gente para restaurantes.

De olho na turma que não curte muito um fogão, o app ChefsClub quer ser o incentivo que faltava para te fazer sair de casa e aproveitar o que a sua cidade tem para oferecer na gastronomia. Ele é como se fosse um Netflix da comida. Por uma assinatura semestral (R$ 129,90) ou anual (R$ 179,90), você ganha descontos de 30% a 50% nos mais de três mil restaurantes cadastrados na plataforma e ainda consegue fazer reservas em lugares complicados de se conseguir uma mesa.

VEJA TAMBÉM

Ao fazer a assinatura, é possível navegar por um app (disponível para Android e iOS) para descobrir os estabelecimentos perto de você e fazer reservas. Ao chegar no local, você faz o checkin para ter o desconto ativado.

Numa cidade como São Paulo, que tem mais de 12 mil restaurantes e 15 mil bares, o número de cadastrados ainda soa pequeno. Isso, porém, deve mudar em breve. Isso porque o ChefsClub, que tem uma presença maior no Rio de Janeiro, acertou a fusão com o Grubster, que é mais forte em São Paulo. A ideia é atingir faturamento de R$ 100 milhões até 2023. Antes disso, o ChefsClub havia recebido um investimento de R$ 3 milhões da Confrapar em 2015. 

"Nos juntando, não só ficamos uma empresa maior como reunimos muito talento na equipe. Muita gente engajada que acredita que seremos o aplicativo para comer fora no Brasil e depois expandir ainda mais", revela o sócio Guilherme Mynssen.

O otimismo não é à toa já que fronteiras não parecem ser problemas para o ChefsClub. A ideia nasceu bem, bem longe daqui. Enquanto Fabrizio Serra, um dos cofundadores, fazia um mestrado na Dinamarca. Ele observou outros negócios parecidos com o do ChefsClub e começou a rascunhar a empresa. A partir daí, dois dinamarqueses conhecidos de Serra acreditaram na ideia e entraram na sociedade. Mynssen entrou para tocar a operação no Brasil 

Como toda startup, o ChefsClub também teve seus perrengues."Primeiro, nós tivemos que esperar cinco meses para poder começar a operar no Brasil. Depois, por duas vezes, estivemos com a corda no pescoço porque ainda não pagávamos as contas e o dinheiro dos investidores estava acabando. Nós chegamos a ficar sem receber o salário para poder não atrasar o do resto da equipe", relembra o fundador.

Mas agora as coisas parecem em ordem: atualmente, o serviço conta com um milhão de assinantes, o que movimentou R$ 200 milhões nos três mil restaurantes cadastrados. A missão até 2020 é chegar em meio bilhão com pelo menos dez mil filiados. Haja freguês!

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos