Câmera com cérebro: por que isso é muito legal e assustador

Farhad Manjoo

  • Divulgação

    Google Clips faz fotos sem que ninguém dispare o botão

    Google Clips faz fotos sem que ninguém dispare o botão

Algo estranho, assustador e sublime está acontecendo com as câmeras, e complicará tudo o que você sabia sobre fotos. As câmeras estão recebendo cérebros.

Até poucos anos atrás, praticamente todas as câmeras, sejam as de smartphones, compactas ou de circuito fechado de vigilância, eram como olhos desconectados de qualquer inteligência.

Elas capturavam qualquer coisa colocada diante delas, mas não entendiam o que estavam vendo. Até mesmo fatos básicos a respeito do mundo lhes passava despercebidos. É loucura, por exemplo, que, em 2018, seu smartphone não detecte automaticamente quando você está tirando fotos nuas de si mesmo e ofereça salvá-las com uma camada extra de segurança.

VEJA TAMBÉM

Mas tudo isso está mudando. Há uma nova geração de câmeras que entende o que veem. Os olhos delas estão conectados a cérebros, máquinas que não mais apenas veem o que você coloca diante delas, mas agem a respeito, criando possibilidades intrigantes e às vezes assustadoras.

Inicialmente, essas câmeras prometem nos permitir tirar fotos melhores, registrar momentos que não seriam possíveis com as câmeras burras que vieram antes delas. Esse é o argumento oferecido pelo Google para a Clips, uma nova câmera que chegou ao mercado na terça-feira. Ela usa o chamado aprendizado de máquina para tirar automaticamente fotos de pessoas, animais de estimação e outras coisas que considera interessantes.

Outras estão usando inteligência artificial (IA) para tornar as câmeras mais úteis. Você já ouviu sobre como o mais recente iPhone da Apple usa reconhecimento facial para desbloquear seu telefone. Uma startup chamada Lighthouse AI deseja fazer algo semelhante em seu lar, usando uma câmera de segurança que adiciona uma camada de inteligência visual às imagens que vê. Quando você monta sua câmera em sua entrada, ela pode analisar constantemente a cena, alertando se o passeador de cães não veio ou se seus filhos não voltaram para casa até certa hora depois da escola.

Não demora muito para imaginar as possibilidades úteis e muito assustadoras de câmeras que podem decifrar o mundo. As câmeras digitais promoveram uma revolução na fotografia, mas até agora, foi apenas uma revolução de escala: graças aos microchips, as câmeras ficaram menores e mais baratas e começamos a carregá-las por toda parte.

Agora, a IA criará uma revolução também na forma como as câmeras funcionam. As câmeras inteligentes permitirão que você analise as fotos com precisão pericial, levantando o espectro de um novo tipo de vigilância, não apenas por parte do governo, mas por todos ao seu redor, até mesmo seus entes queridos em casa.

As empresas que produzem esses dispositivos estão cientes dos riscos à privacidade. Muitas estão atuando no campo de forma cautelosa, enchendo seus produtos de salvaguardas que dizem reduzir seu lado assustador.

Veja a Clips do Google, que usei ao longo da última semana e meia. É um dos dispositivos mais incomuns que já encontrei. A câmera tem aproximadamente o tamanho de uma latinha de balas de menta e não tem tela. Na frente, há a lente e um botão. O botão tira a foto, mas está lá apenas se você realmente precisar.

Divulgação
Google Clips pode ser encaixado com grampo em várias superfícies

Em vez disso, em grande parte do tempo, você conta apenas com a intuição da câmera, que foi treinada para reconhecer expressões faciais, iluminação, enquadramento e outras características de boas fotos. Também reconhece rostos familiares, de modo que as pessoas com as quais você está com mais frequência estão entre aquelas que ela considera mais interessantes de fotografar.

A Clips, que custa US$ 249 (cerca de R$ 810), torna o ato de tirar fotos inconsciente e praticamente invisível. A carregue para onde for; ela vem com um grande grampo maleável, de modo que ela pode ser afixada em sua jaqueta, na mesa, levada na palma da mão ou colocada em qualquer lugar com uma vista.

A partir daí, tudo fica por conta da IA.

A Clips fica de olho na cena e quando vê algo que considera interessante de registrar, ela captura uma imagem de 15 segundos (algo como um breve GIF animado ou o Live Photo do iPhone).

Fiz uma viagem com minha família à Disneylândia na semana passada e ao longo de dois dias altamente fotografáveis, eu mal tirei uma foto. Em vez disso, esse dispositivo minúsculo fez automaticamente todo o trabalho, registrando umas duas centenas de clipes curtos de nosso viagem.

Alguns deles foram muito bons, capturando os pontos altos de nossa viagem da mesma foram que eu teria feito com meu telefone. Mas o que foi realmente interessante foi as coisas que eu não teria registrado conscientemente.

A Clips pegou momentos de meus filhos descontraídos ou brigando nas filas intermináveis da Disney, brincando de pega-pega em casa, dançando como malucos adoráveis, momentos espontâneos demais ou aparentemente fugazes para que eu pudesse tê-los pego com minha câmera, mas que provavelmente pintarão um quadro mais preciso e edificante de nossas vidas em 30 anos.

Os leitores regulares desta coluna sabem que o registro dos momentos da infância de meus filhos é motivo de profunda ansiedade para mim. Eu enchi minha residência de câmeras para preservar um tipo de reality show da vida na minha casa.

Mas você não precisa ser tão louco(a) como eu para compartilhar esse medo, o de que seus filhos e animais de estimação estão constantemente fazendo coisas que você posteriormente vai querer lembrar, mas que os smartphones com frequência perdem. Uma câmera inteligente registra esses momentos porque não pede que você os interrompa para registrá-los.

Mas, obviamente, configurar uma câmera que não precisa ser disparada especificamente para tirar uma foto é algo problemático. Ela gera o temor de espionagem, que o Google pode espiar você, ou que você possa usá-la para espiar outros.

O Google trata dessa lado preocupante de duas formas. O dispositivo é em grande parte desconectado da internet. Ele tira fotos sem conexão e exige seu telefone para que os clipes sejam vistos ou salvos. Mas mesmo assim é apenas a IA que atua no dispositivo, não exigindo nem mesmo que você tenha uma conta Google, disse a empresa.

"Nós dedicamos muito tempo pensando na privacidade e assegurando que este seja um dispositivo que as pessoas realmente queiram", disse Eva Snee, que chefia a pesquisa do Google sobre como as pessoas interagem com a Clips. "O que aprendemos é que as câmeras não assustam as pessoas quando são usadas deliberadamente e a pessoa faz parte do processo."

A Clips também nos faz recordar de outros produtos do gênero, incluindo o Snap's Spectacles e o Google Glass, a tentativa fracassada da empresa de fazer os consumidores usarem óculos para tirarem fotos.

Para assegurar isso, a Clips foi desenhada para parecer uma câmera. Quando está ligada, ela acende um LED branco para sinalizar que pode estar gravando. Ela também não grava áudio, porque isso pareceria muito com espionagem.

A Lighthouse, que também usei por algumas poucas semanas, visa ser um avanço em relação às câmeras de segurança domésticas conectadas à internet que se tornaram populares. Esses dispositivos podem ser incômodos porque enlouquecem toda vez que captam algum movimento.

O truque especial da Lighthouse é um sistema de câmera que pode sentir o espaço de modo tridimensional e aprender a reconhecer faces, inteligência que visa evitar alarmes falsos. Também conta com uma boa interface de linguagem natural, de modo que você pode fazer perguntas diretas: "O que as crianças fizeram enquanto estive fora?" mostrará clipes de seus filhos enquanto você esteve ausente.

A Lighthouse, que custa US$ 299 (cerca de R$ 970) e exige uma assinatura mensal de US$ 10 (cerca de R$ 33), parece uma obra em andamento. Ela foi mais precisa em diferenciar as pessoas na minha casa, mas também foi enganada a pensar que havia um intruso devido a um balão flutuando na sala de estar.

A empresa é jovem e espero que seu software melhorará. Posso imaginar a câmera sendo de interesse genuíno para as pessoas que desejam saber o que está acontecendo em casa quando estão ausentes. Deseja saber se seu cachorro está pulando em seu sofá? Pergunte à Lighthouse; ela pode reconhecer cães pulando em sofás e lhe mostrar instantaneamente o clipe.

Mas e se você estiver preocupado com sua esposa, não com seu cachorro? Eu confio na minha esposa, mas para fins desta coluna, pedi ao aparelho que me mostrasse os clipes dela na casa com uma pessoa desconhecida. Lá estava ela certa noite, com a babá, que a Lighthouse não tinha visto antes.

Foi um caso de clara espionagem da minha família. Mas é uma possibilidade óbvia com uma câmera que entende o mundo tão bem.

Alex Teichman, o presidente-executivo da Lighthouse, disse que poderia adicionar salvaguardas contra espionagem intrafamiliar, por exemplo, ao restringir a identificação de rostos apenas a rostos desconhecidos. Ele também apontou que o sistema possui numerosos controles de privacidade que permitem a desativação da gravação quando certos familiares estão presentes.

Tanto a Lighthouse quanto a Clips são bem trabalhadas contra abusos. Deve ser notado que nenhuma delas permite mais espionagem do que já é possível com smartphones. Vigilância social constante é a norma em 2018.

Mas são guias para o futuro. Amanhã, todas as câmeras terão as mesmas capacidades delas. E elas não apenas observarão você, mas também entenderão.

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos