Reinaldo Canato/UOL

UOL Testa: Celulares

Queridinho, Samsung J7 Prime melhorou, sem afetar o preço, mas peca na foto

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

Vamos combinar: quase ninguém tem dinheiro para gastar R$ 3.000, R$ 4.000 em um celular top de linha. É por isso que a linha J, da Samsung, caiu nas graças de muita gente. O UOL testou o Galaxy J7 Prime, modelo mais recente de um dos smartphones mais procurados pelos brasileiros, e pode dizer: a linha continua boa (veja bem, nem muito boa e nem ótima) e "barata".

O preço de cerca de R$ 1.300 não é exatamente baixo, mas, diante das opções que existem no mercado, é um celular mais em conta. O que vale aqui é o custo-benefício, já que estamos falando de um bom produto, com configurações intermediárias, que tem as limitações dos modelos mais modestos. 

Design e tela: bons, com ressalvas

O design do J7 Prime é bem legal: minimalista e com botões de controle embaixo da tela. Agora que ele ganhou um corpo metálico, ficou com cara de premium.

  • 50478
  • true
  • http://tecnologia.uol.com.br/enquetes/2017/02/14/voce-compraria-o-samsung-j7-prime.js

A câmera na parte traseira não tem saliência, o que é bem interessante em termos de design. Um aspecto negativo é a saída de áudio no canto superior direito do aparelho, área que pode ser abafada com o dedo. 

A tela é bem grande, de 5,5 polegadas, o que deve agradar muitos consumidores – virou tendência celulares cada vez maiores. É bom para jogar games ou assistir a vídeos e filmes, mas pode ser um incômodo na hora de segurar o celular com uma mão. Nem a borda curva do J7 Prime ajuda na "pegada".

A tela perdeu a tecnologia Super Amoled, mas é Full HD, de boa qualidade – não está, contudo, no mesmo nível dos tops de linha da linha Galaxy S ou do também intermediário Galaxy A9

Uma função que deixou a desejar é a ausência de regulagem automática do brilho. A tela vai bem sob a luz do sol – há ao menos um modo "externo", mas é preciso liga-lo toda hora.

O J7 Prime vem com pastas organizadas com apps da Microsoft, da Google e da própria Samsung, mas não tem o Samsung Pay, forma de pagamento pelo celular da empresa sul-coreana. 

Espere algumas travadas

O J7 Prime evoluiu em relação aos anteriores da linha J. A memória RAM, por exemplo passou a ser de 3 GB – maior que a do iPhone 7 e inferior à linha Galaxy S da Samsung. Já o processador é da própria Samsung – o Exynos 7870, com oito núcleos e velocidade que pode chegar a 1,6 GHz.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
  

Mas o upgrade no smartphone não fez com que ele superasse certos problemas. Durante os testes, aconteceram travadas ocasionais, até mesmo em tarefas básicas, como câmera, redes sociais e navegador.

O aparelho também não foi bem com jogos. O tempo de carregamento de um game é muito maior do que num top de linha ou até mesmo em outros intermediários. Em jogos mais robustos, como o "Injustice", ainda observamos pequenos lags, atrasos nas respostas dos controles na hora de jogar. 

No teste de benchmarck do aplicativo Geekbench 4, que avalia a agilidade e eficiência do processador, o J7 Prime atingiu 673 pontos quando considerado o desempenho médio de cada um de seus núcleos e 3.241 quando considerado o desempenho dos múltiplos núcleos. O primeiro número é bem ruim e deixa o celular atrás até modelos antigos como o Galaxy S5 (top de linha da marca lançado em 2014). Mas o segundo dado é até razoável – fica atrás do Galaxy S6, mas supera o S5.

Ah, e assim como no Galaxy A9, não rola Pokémon GO na vida real: o J7 Prime não tem giroscópio, o que impede que apps utilizem realidade aumentada. Ou seja: só é possível capturar as criaturas no "mundo" do jogo, não como se elas estivessem na vida real. 

Câmera não tão boa assim

A Samsung ressaltou em seus comunicados que o aparelho era "perfeito para registras as férias". A câmera não é excelente e está bem longe do nível de celulares tops de linha, mas agradará quem busca câmeras boas por um preço razoável. 

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Foto tirada com o J7 Prime sob iluminação natural
 

A principal tem 13 MP, abertura f 1.9 e um bom contraste de cores. O sistema de foco automático identifica rostos, mas não é tão eficiente. Já a câmera frontal, de 8 MP, dá para o gasto. Em ambas, falta definição e as fotos ainda dependem muito de condições favoráveis de luz.

Há ainda opções de edição de selfie – afinamento de rosto e correções na pele.

O J7 Prime consegue gravar vídeos em Full HD com boa qualidade. Há ainda vários modos que o internauta pode escolher na hora de tirar uma foto: HDR, Noturno, Panorama, Esportes, Embelezar Rosto, entre outros.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Selfie com a câmera frontal do J7 Prime em ambiente iluminado e com pouca iluminação

Tivemos também um problema ao ligar a câmera com o smartphone bloqueado. A interface para tirar fotos até abria, mas era impossível clicar em qualquer botão para fazer o clique. Isso se repetiu em mais de uma oportunidade.

Bateria na média

A bateria tem 3300 mAh, na média de celulares recém-lançados --é superior, por exemplo, à bateria do Galaxy S7. O carregamento completo leva cerca de três horas e, em uso moderado (WhatsApp, redes sociais, câmera e outras funções apenas de tempos em tempos), chegou ao fim de um dia com um pouco de sobra. O celular ainda conta com modos de economia de bateria. 

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Vale a pena?

Pelo preço cobrado, o J7 Prime atende às expectativas. É bom deixar claro que o usuário não terá um celular perfeito e enfrentará alguns transtornos, todos superáveis. Mas pelo preço pago terá um celular com um belo design e câmeras razoáveis.

O J7 Prime concorre com celulares como o Moto G4 (cerca de R$ 1.050). O celular da Motorola ganha por possuir giroscópio e ser mais barato, mas tem memória e câmera inferiores – além disso, é revestido de plástico. O celular da Samsung também é superior em especificações ao Zenfone 3 Max, da Asus, que também é mais barato (cerca de R$ 1.000).

Direto ao ponto: Samsung Galaxy J7 Prime

Tela: 5,5 polegadas Full HD
Sistema Operacional: Android 6.0
Processador: Exynos 7870 octa-core (1,6 GHz)
Memória: 32 GB de armazenamento interno (cartão microSD de até 256 GB) e 3 GB de RAM
Câmeras: 13 MP (principal) e 8 MP (frontal)
Dimensões e peso: 151,7 x 75,0 x 8,0 mm; e 167 g
Bateria: 3.300 mAh
Preço: R$ 1.299
Pontos positivos: design elegante, preço acessível, ganhou sensor de digitais, memória RAM de 3 GB
Pontos negativos: processador fraco, câmera deixa a desejar

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos