Reinaldo Canato/UOL

UOL Testa: Celulares

Sony Xperia XA1 Ultra: selfie poderosa e tela gigante por menos de R$ 2 mil

Bruna Souza Cruz

Do UOL, em São Paulo

Gosta de tela gigante, adora tirar selfies e quer um bom desempenho? Se a resposta for sim para as perguntas, o smartphone da Sony Xperia XA1 Ultra precisa estar no seu radar. Mas prepare-se para investir uns R$ 2 mil nesse modelo intermediário com pinta de celular premium.

Lançado no Brasil agora em agosto, o modelo da Sony conta com uma tela Full HD e 16MP em sua câmera frontal. A versão é uma atualização do XA Ultra, que já chamava a atenção por conta das 6 polegadas de tela e da mesma resolução na câmera de selfie.

O preço sugerido no site da Sony é de R$ 2.299,99, mas já conseguimos encontrá-lo por a partir de R$ 1.900. Sim, ele não é nada barato. Mas, em tempos em que os aparelhos mais sonhados do mercado custam em média R$ 4 mil, até vale a pena analisar um smartphone bonito, moderno e com custo-benefício razoável.

Em relação ao visual XA1 Ultra, podemos dizer que ele tem lá seu charme. Seu corpo é feito de alumínio, plástico e tela resistente Gorilla Glass. No entanto, há quem ache ele muito "quadradão" -- o visual é praticamente um padrão entre os modelos da marca.

Outra característica que as pessoas interessadas pelo aparelho podem notar é a falta de um leitor biométrico, recurso que tem ficado popular até nos modelos básicos (e mais baratos) de alguns concorrentes. A Sony bem que podia ter acrescentado entre uma versão e outra, não?

Câmeras são boas e têm filtros engraçadinhos

Quanto às câmeras, o aparelho se saiu muito bem. As imagens tiradas com o celular têm boa definição e não dão aquela sensação de quadradinhos nas fotos. Isso tanto na frontal quanto na de selfie.

A câmera principal possui 23MP e recebeu um ligeiro upgrade em relação ao modelo anterior (que tinha 21,5MP).

Em geral, as fotos saem com uma boa profundidade de campo e as cores das imagens são bem nítidas e vivas. Além disso, elas dificilmente ficam borradas, principalmente em ambientes claros.

Bruna Souza Cruz/UOL

Bruna Souza Cruz/UOL

Bruna Souza Cruz/UOL

Bruna Souza Cruz/UOL

Nos ambientes escuros, as fotos da câmera de selfie e da traseira demoram um pouquinho para concluir o processamento. Mas nada muito grave a ponto de afetar a qualidade das imagens. Só será preciso um pouco de paciência em alguns momentos até elas ajustarem o foco e se adequarem à iluminação do local.

Bruna Souza Cruz/UOL
Foto noturna tirada de dentro do ônibus

Uma coisa chata em relação ao aparelho é o zoom da foto. A tela sensível ao toque não responde tão bem na hora de aproximar ou afastar a imagem. Os dedos escorregam e ele não responde tão rápido ao toque. Pelo menos, é possível usar os botões do volume para o mesmo fim.

Outro problema é o local onde fica o botão para tirar foto. Como o celular é grande, fica muito difícil segurar o aparelho e acionar o disparador ao mesmo tempo. Ainda bem que é possível entrar nas configurações e habilitar opções para tirar fotos com gestos, sorrisos, timer ou toque na tela.

Um recurso bem legal do sistema Sony é a possibilidade de brincar com as imagens. Na câmera de selfie, por exemplo, você pode tirar fotos com vários filtros diferentes.

Na principal, além de colocar filtros antes de tirar a foto, é possível inserir animações que interagem com o ambiente. Dá para fazer o mesmo com os vídeos.

E o espaço para armazenar todos esses arquivos não será um problema. O celular chega com 64GB e ainda tem capacidade para receber um cartão de memória de até 256GB.

Bruna Souza Cruz/UOL

Bruna Souza Cruz/UOL
Foto tirada automaticamente ao posicionar a mão em frente a câmera

Processamento e bateria

O Xperia XA1 Ultra trabalha com um processador de oito núcleos e conta com 4GB de memória RAM, 1GB a mais do que sua versão anterior.

Para o uso básico de um celular, como usar redes sociais, navegar na internet e ligações, ele está de ótimo tamanho. Com essas configurações jogos populares como Candy Crush, Angry Birds e Diamond Dash rodam sem problemas. Durante os testes de jogos não houve nenhum travamento significativo. O aparelho até deu algumas travadinhas durante o uso de aplicativos, mas nada grave.

Com o app de benchmark Greekbench 4 --que avalia a agilidade e eficiência do processador --, o modelo da Sony registrou 839 pontos quando considerado o desempenho médio de cada um de seus núcleos (single-core) e 3.771 pontos quando considerado o desempenho dos múltiplos núcleos (multi-core). Os valores são ligeiramente superiores aos da edição anterior, que registrou 814 pontos e 3.629, respectivamente. No teste, quanto maior o número, melhor o desempenho.

Para efeito de comparação, é legal saber que o XA1 Ultra se saiu um pouco pior em relação ao concorrente Zenfone 3 Zoom (partir de R$ 1584,40*), que somou 864 pontos no single-core e 4.207 no teste de múltiplos núcleos.

Em relação ao Samsung Galaxy A9 (a partir de R$ 1.421*) atingiu no mesmo teste 1.414 pontos em cada núcleo e 4.180 pontos em seus múltiplos núcleos. Valores bem superiores ao do celular da Sony.

Já o Moto G5 Plus (a partir de R$ 1.000*) se saiu melhor na questão multi-core, com 3.847 pontos. No entanto, o XA1 Ultra ficou um pouco na frente do aparelho da Motorola nos testes que avaliam o desempenho individual (805 pontos) dos núcleos do processador.

Sobre a bateria, o tempo de descarga dela foi algo que me surpreendeu. Durante os testes achei que ela duraria menos de um dia com uso moderado (aliás, a tela do aparelho é gigante), ainda mais por possuir "só" 2.700 mAh (valor abaixo de muitos concorrentes no segmento dos intermediários).

Mas a Sony parece que soube distribuir bem a capacidade da bateria com o processamento do celular. Ao final do dia, ainda sobrava em média entre 15% e 20% de bateria. Em dias em que o uso foi mais básico (WhatsApp, Facebook e ligações) ela chegou a durar um dia e meio.

Compro ou não compro?

Como já dito, o modelo Xperia XA1 Ultra é bem interessante para quem gosta (ou precisa) usar o celular para tirar muitas fotos. A qualidade das imagens tiradas com o smartphone é muito boa.

A autonomia da bateria durante os testes surpreendeu. Ela não é nem de perto a mais potente do mercado e muitos concorrentes são vendidos com capacidade superior. Mas a distribuição que a Sony conseguiu fazer entre capacidade e processamento foi algo interessante. Só esperamos que isso se mantenha conforme a vida útil da bateria for se desgastando.

A parte ruim mesmo é se você não gosta de usar um celular com tela "gigante". As seis polegadas dificultam muito o manuseio e o uso com apenas uma das mãos. Ele também é um pouco pesado e muitas vezes cansa ficar segurando o aparelho para ver vídeos ou jogar.

A falta do leitor de digital também é algo que pode incomodar já que não é um celular barato.

Se você deseja um modelo um pouco menor, mas que tenha câmeras bem potentes, dê uma pesquisada no Zenfone 3 Zoom. O modelo conta com câmera principal dupla de 12MP, câmera de selfie de 13MP e tem leitor de digital. Custando a partir de R$ 1584,40*, ele ainda tem bateria de 5.000 mAh.

Outra opção pode ser o Xperia XA1, também da Sony, que conta tela de 5 polegadas, tem uma boa pegada e câmeras legais. Ele custa a partir de R$ 1.400*.

Direto ao ponto: Sony Xperia XA1 Ultra

Tela: 6 polegadas Full HD Amoled
Sistema Operacional: Android 7.0 Nougat
Processador: MediaTek Helio P20 Octa-core  (4x de 2,3 GHz + 4x de 1,6 GHz)
Memória: 64GB (cartão microSD de até 256 GB) e 4GB de RAM
Câmeras: Principal de 23MP (sensor Exmor de 1/2,3) e frontal de 16MP (sensor Exmor de 1/2,6)
Dimensões e peso: 16,5 x 7,9 x 0,81 cm; e 188g
Bateria: 2.700 mAh
Pontos positivos: câmera de selfie potente com vários recursos para fotos
Pontos negativos: falta de sensor biométrico, zoom da câmera
Preço: sugerido de R$ 2.299,99 (é possível encontrar por partir R$ 1.900*)

*Valores consultados entre 11 e 14 de agosto de 2017.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos