Quer desconto nas compras? Apps de supermercado têm produtos até "de graça"

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images/iStockphoto

    Aplicativos com descontos começam a se espalhar em supermercados

    Aplicativos com descontos começam a se espalhar em supermercados

Se você é daqueles que fica assustado com o valor final da compra quando vai ao supermercado, calma. Agora, além de assustado, você poderá ficar pelo menos um pouco aliviado na hora de pagar a fortuna no caixa. Isso porque as grandes redes passaram a adotar recentemente aplicativos que contam com descontos bem interessantes para o consumidor.

É o caso, por exemplo, de marcas como Pão de Açúcar, Extra e Carrefour, todas com unidades em grande parte do Brasil. As duas primeiras, que pertencem ao mesmo grupo, dizem que a ideia do app surgiu por uma pressão envolvendo três fatores: usar a base de dados dos programas de fidelidade que mantinham há anos, entrar no meio digital e focar em descontos personalizados.

Veja também: 

Descontos funcionam?

Como pertencem ao mesmo grupo, os apps do Pão de Açúcar e do Extra são bem parecidos. Para ter acesso, basta baixar na loja de aplicativos do iOS e Android e entrar com o cadastro que você já usa nos dois mercados (Pão de Açúcar Mais e Clube Extra) ou criando um novo. Aí, então, são mostradas diversas ofertas – algumas gerais e outras personalizadas que mudam de pessoa para pessoa utilizando um algoritmo que toma como base seu histórico de compras.

As promoções oferecidas são atualizadas semanalmente, com descontos massivos. Não é questão de 5% ou 10%, mas em média 30% sobre o valor do produto. Na última semana, o app do Pão de Açúcar chegou a mostrar uma oferta em que um iogurte saía com 99% de desconto – sim, quase de graça. Segundo o Pão de Açúcar, o fato de os descontos serem dados em cima do preço da gôndola impossibilita qualquer temor de a oferta ser falsa – mas é bom o consumidor pesquisar antes.

Reprodução
Desconto de 99% em um produto no app do Pão de Açúcar

"A gente não trabalha dessa forma de elevar preços para dar desconto sobre o preço elevado. O desconto é do preço da gôndola. É o preço que está lá, não mexemos no preço. Se a gente tivesse mexido no preço quando lançamos o aplicativo, ninguém compraria mais porque não tinham o app e estaria tudo caro. Mexemos nos lucros de outras vertentes, como margem de ganhos ou de número de consumidores novos", explica Renato Camargo, gerente de fidelidade do Grupo GPA.

De fato, o UOL Tecnologia testou o app por duas vezes em uma loja do Pão de Açúcar da zona sul de São Paulo. Na segunda vez, a compra teve nada menos que R$ 25 de desconto no total de quase R$ 300. Basta abrir o app, ativar os descontos que você quiser e, na hora de passar no caixa, dar o número do seu CPF – pronto, os produtos já passarão com desconto.

Reprodução
App do Pão de Açúcar tem descontos gerais e personalizados

Os apps do Pão de Açúcar e do Extra já chegaram, juntos, a 4 milhões de downloads. Isso é visto nas lojas físicas: um dos grandes problemas é que alguns dos produtos em que ativei a oferta já estavam esgotados das prateleiras – inclusive, infelizmente, o iogurte com 99% de desconto. Os descontos podem ser cadastrados tanto pelos supermercados quanto pelos fornecedores diretamente – e a agressividade das ofertas impressiona.

"Têm três eixos. O eixo da industria, o varejo que somos nós e clientes. Tem que fazer o equilíbrio. Como a gente consegue ser agressivo? O cliente não consome só aquele produto, ele compra coisas novas. Se você tem esse equilíbrio entre o cliente e a marca, fecha a conta no final. Talvez tenham clientes que não deem resultados e outros que dão além da média", aponta Renato.

Outra estratégia

O Carrefour lançou seu próprio sistema de descontos em aplicativo no último mês de outubro, talvez pressionado pelo sucesso da rede rival. Contudo, o programa do grupo se diferencia do GPA por não depender exclusivamente do app: os descontos podem ser obtidos também por e-mail e em totens nas lojas físicas, em uma tentativa de levar o plano a quem não costuma baixar aplicativos.

A rede ainda diz oferecer como um diferencial a possibilidade de usar os descontos em todas as plataformas de consumo do Carrefour: supermercados, hipermercados, lojas de proximidade, postos de combustíveis e e-commerce. Ao contrário da concorrência, as ofertas são cadastradas pelo próprio Carrefour – e também contam com personalização baseada no gosto de casa usuário.

Reprodução
Descontos do app Meu Carrefour

Os cupons de desconto não são automáticos como no Pão de Açúcar e Extra, mas devem ser lidos com QR Code no caixa ou apresentados em versão física, se o cliente desejar imprimir as ofertas. A meta da empresa é fidelizar o cliente.

"Temos a expectativa de emitir cerca de 100 milhões de cupons dirigidos a cada mês, aumentando a sinergia da nossa operação e levando ao cliente mais vantagens, que vão além do preço, para ele fazer mais Carrefour", diz Silvana Balbo, diretora de marketing do Carrefour Brasil.

E a segurança dos dados?

O cliente que não pensa só no desconto pode ter uma preocupação em meio a essas descontos segmentados: o que é feito com os dados dos clientes? As duas marcas envolvidas com os apps monitoram o hábito de consumo dos usuários para fornecer descontos cada vez mais personalizado – bem parecido com o que o Facebook já faz. Em tempos de vazamento de dados como o do Uber, isso causa temores. 

No caso do Pão de Açúcar e do Extra, a rede que comanda os estabelecimentos diz que segue um programa rigoroso de segurança dos dados dos usuários, oriundo da França. O Grupo GPA diz confiar nos processos de segurança e que trabalha constantemente em melhorias nesta área. Além disso, alega não compartilhar nem vender informações de clientes para terceiros – só só são compartilhados com parceiros grupos anônimos de consumidores.

"Quando elas se identificam elas têm a ciência do que oferecem como dados. Não vendemos pra ninguém. A nossa politica é bem severa e são inúmeros sistemas. É toda criptografada, ninguém tem acesso internamente. A chance de vazar é quase nula", afirma Renato Camargo.

O Carrefour seguiu na mesma linha. A rede diz ter investido em segurança para impedir usos indevidos dos dados – a criptografia ponta a ponta também é citada. O Carrefour também garante que os dados ficam seguros quando repassados às indústrias.

"No caso da indústria, qualquer dado devidamente autorizado pelo cliente fica restrito à rede. A relação da rede com a indústria envolve o direcionamento estratégico de vendas, que é determinado pelo Carrefour com base nos dados disponíveis sobre os hábitos de consumo do cliente", diz.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos