UOL Testa: Celulares

Não adianta disfarçar: iPhone X leva reconhecimento facial a outro patamar

Bruna Souza Cruz

Do UOL, em São Paulo

O lançamento do iPhone X marcou as comemorações de 10 anos da linha de celulares da Apple, mas não só isso. O novo modelo representou uma nova direção para o mundo dos smartphones ao trazer importantes mudanças técnicas e de design numa área que vinha apresentando poucos avanços nos últimos anos.

Muito se falou dos novos movimentos, do fim do botão home, da tela infinita e do preço (aqui custa a partir de R$ 6.999), mas é o reconhecimento facial, ou Face ID, um dos pontos mais inovadores.

Ele promete identificar o dono do iPhone pelo olhar e pela geometria do rosto e pretende ser muito mais seguro.

A configuração do recurso de desbloqueio do telefone é simples: você grava um pequeno vídeo do rosto, enquanto faz um movimento circular. Depois disso, basta dar uma olhada para o telefone, que ele desbloqueia. Não há necessidade de "encaixar os olhos", como ocorre no Galaxy S8.

Tem quem duvide, especialmente depois que uma criança desbloqueou o smartphone da mãeirmãos gêmeos semelhantes enganaram o sistema e um cara teve problemas depois que tirou a barba -- a Apple diz que as chances disso acontecer são maiores para gêmeos ou familiares muito parecidos, mas ainda sim a probabilidade é muita baixa e o sistema é muito mais seguro que a biometria.

Então, resolvemos testar. O iPhone X e seu Face ID foi usado durante um mês por três pessoas diferentes (eu e dois homens). 

Conclusão: sim, o reconhecimento facial é seguro e funciona nas situações mais comuns já previstas pela Apple.

Ele funciona quando você está de chapéu, maquiagem, óculos de sol, diferentes estilos de cabelo, barba... Te reconhece em ambientes iluminados ou com pouca iluminação.

Ele só não conseguiu reconhecer o dono com máscara, como era de se esperar.

O mais interessante é que o Face ID não funcionou quando usamos uma foto do rosto para tentar burlar o sistema. Já havíamos feito o mesmo teste com o Galaxy S8 Plus, o modelo mais moderno da Samsung. E, surpresa! Conseguimos o desbloqueio.

Foto desbloqueia Galaxy S8 Plus

Como funciona?

O Face ID funciona por causa de sua tecnologia que envolve o reconhecimento facial 3D. Ela utiliza vários sensores capazes de mapear cerca de 30 mil pontos do rosto do usuário criando um mapa de profundidade. 

Ao posicionar o rosto em frente à tela e olhar para o celular, o Face ID faz uma varredura automática (que dura poucos segundos) nas informações salvas e verifica se ele deve ou não desbloquear a tela para o uso do telefone.

Segundo a Apple, é preciso que o usuário olhe para a tela. Caso contrário, o funcionamento do Face ID talvez não seja tão preciso. Em alguns casos, até conseguimos desbloquear a tela mesmo com o aparelho na lateral de nosso rosto. Mas quando tentamos com os olhos fechados, não funcionou.

O Face ID também tem outros usos interessantes. Ele substitui a autenticação de aplicações que até então utilizavam senhas ou o sensor de digital, ou seja, você passa a usar seu rosto para fazer compras na Apple e autenticar downloads gratuitos feitos na Apple Store.

Por conta disso, desenvolvedores já estão trabalhando em programas compatíveis com a tecnologia de reconhecimento facial.

Sabe o aplicativo do banco? Logo mais, poderemos usar só o nosso rosto para fazer transações bancárias.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos