Por que os melhores celulares da China não estão no Brasil?

Márcio Padrão

Do UOL, em Barcelona*

  • Divulgação

    Oneplus 5T, come to Brazil!

    Oneplus 5T, come to Brazil!

Samsung, Apple, LG, Motorola, Sony. Conhece esses nomes, certo? E quanto a HTC, Huawei, OnePlus, Oppo, Vivo, Xiaomi? São companhias chinesas que têm crescido em mercados internacionais e que fazem celulares com ótimas especificações a preços baixos. Mas, infelizmente, nenhuma delas vende no Brasil atualmente.

Para se ter uma ideia, citemos dois celulares chineses dos sonhos. O OnePlus 5T, lançado no ano passado, se iguala ao Samsung Galaxy S8 em alguns pontos e até o supera em outros, traz processador Snapdragon 835, 64 GB de armazenamento, 6 GB de RAM e câmera dupla traseira de 16 MP + 20 MP. Ainda é alguns dólares mais barato que o Galaxy S8: US$ 619 (R$ 2.104) contra US$ 623 (R$ 2.118).

Divulgação
Xiaomi Mi Mix 2
Já o Xiaomi Mi Mix é considerado um pioneiro da tela infinita. Também tem configurações de peso, como Snapdragon 835, 6 ou 8 GB de RAM (!) e 64, 128 ou 256 GB de armazenamento. E ainda é mais barato que o OnePlus: US$ 505 na versão com 6 GB/64 GB (R$ 1.717).

Queremos. Então, por que eles não são vendidos no varejo brasileiro?

Vamos lembrar o exemplo da Xiaomi, chamada também de "Apple do Oriente". Ela adotou no nosso país em 2015 e saiu logo em seguida, em meados de 2016, depois que fracassou sua estratégia de vender os aparelhos só pelo site da marca. O preço dos modelos era bem competitivo, mas não adiantou.

O vice-presidente na época, o brasileiro Hugo Barra, justificou o fracasso culpando mudanças nas regras de fabricação e tributação de vendas online.

Logo depois, ele saiu da Xiaomi e notou-se uma reorganização da estratégia global da companhia, que passou a focar na China, onde estava perdendo mercado.

Quer dizer, a chance de voltarem a vender por aqui, por enquanto, é bem remota. 

VEJA TAMBÉM

Também temos a Huawei, que vendeu 100 milhões de smartphones em 2017, é a terceira maior fabricante do mundo --atrás da Samsung e Apple segundo as consultorias Gartner e IDC-- e produz o elogiado Mate 10 para concorrer com o iPhone.

Em entrevista ao UOL Tecnologia, Vinícius Fiori, diretor de comunicações da Huawei no Brasil, cutucou os concorrentes brasileiros, embora não cite nomes. Para ele, existe uma dificuldade de entrar no nosso mercado, já consolidado:

A área de celulares da Huawei tem ido muito bem em países onde a competição é aberta e justa. No Brasil, ainda há muitos empecilhos e uma blindagem, que impedem a entrada de novos competidores

Ele diz ainda que existe um cenário que favorece quem está atuando no mercado brasileiro há mais tempo.

"Há uma série de fatores [que impende a entrada da Huawei no Brasil], como oscilação cambial, a margem que as operadoras e o varejo demandam e também questões de produção local, com mecanismos fiscais necessários", explicou.

Ou seja, a marca não parece estar disposta a enfrentar esse, digamos, desafio para trazer seus celulares para os brasileiros.

A quem estiver interessado mesmo, lembramos que eles podem ser importados ou adquiridos via sites de compra do exterior. As entregas podem demorar um bocado e a assistência técnica costuma virar um problema, mas, se você acha que o preço vale a pena, vai fundo.

Veja também

O jornalista viajou para a MWC a convite da Motorola

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos