Google Nexus 7: tablet chega para estremecer liderança do iPad e Kindle Fire

David Pogue

  • Reprodução

Você pode amar a Apple ou pode odiar a Apple, mas uma coisa é certa: seu jogo favorito é Guiar o Setor. E o jogo favorito do setor é Siga o Líder.

Steve Jobs odiava imitação. O programa Android do Google "copiou o iPhone, nos copiou totalmente", ele disse ao seu biógrafo, Walter Isaacson. "Eu vou destruir o Android, porque é um produto roubado."

Mas também há um aspecto positivo na imitação. Você pode argumentar que as cópias da Apple preenchem mercados nos quais a Apple não ousa entrar, ou oferecem uma alternativa ao mundo muito puro, controlado e com opções restritas da Apple.

Nessa visão de mundo, os anúncios de novos produtos do Google em 2012 devem parecer uma cornucópia de boas notícias. Primeiro, o Google abriu uma loja online unificada com abas separadas para aplicativos, livros eletrônicos, programas de TV, filmes e música, seguindo o modelo da loja iTunes.

Na semana passada, ele lançou o Nexus Q, uma esfera preta que se conecta à sua TV e executa essas canções e vídeos, praticamente da mesma forma que o cubo preto da Apple TV faz. 

Acima de tudo, o Google acabou de lançar o Nexus 7, um tablet preto reluzente que visa concorrer tanto com o iPad quanto com o Kindle Fire da Amazon. (Telefone Nexus, tablet Nexus, esfera Nexus, no que o Google está pensando? Se realmente deseja copiar a Apple, ele deveria minimizar a confusão, não promovê-la.)

Chegada estremecedora

A característica mais importante do Kindle Fire é seu preço: US$ 200. Isso é altamente atraente em um mundo onde o tablet dominante, o iPad, custa US$ 500 ou mais. É claro, o Fire não é o mesmo que o iPad. Sua tela de 7 polegadas é muito menor. Ele é mais espesso e corpulento. Não tem câmera, microfone, função GPS, Bluetooth ou slot para cartão de memória. Sua principal função é rodar material que você compra na Amazon, como livros e vídeos.

Mas esse é o motivo para o tablet do Google, fabricado pela Asus, ser uma chegada estremecedora. Ele também tem tela de 7 polegadas e custa apenas US$ 200, mas desta vez você não tem a sensação de que seus criadores economizaram para manter o preço baixo. Ele é elegante e bonito, com bordas arredondadas, diferente da traseira retangular cortada do Fire, e com um painel traseiro de "pleather" (couro plástico) que dá uma sensação ótima. E pesa 74 gramas a menos que o Fire, o que faz uma enorme diferença. Ele também é ligeiramente mais fino, apesar de mais grosso do que um iPad.

Mais importante, o Nexus é um tablet pleno. Ele é quase tão capaz de permitir que você crie coisas quanto consumir. Ele é veloz, funciona de modo redondo e é capaz de rodar qualquer aplicativo para tablet Android.


Então sim, o tablet Google basicamente explode a proposta de valor do Kindle Fire em uma nuvem de pó. Mas também mina seus próprios tablets Androids concorrentes. Por exemplo, o tablet Android semelhante de 7 polegadas da Samsung, o Galaxy Tab 2, custa US$ 250 pelos mesmos 8 gigabytes de memória.

Como o Google é capaz de oferecer um tablet de luxo pelo mesmo preço do despojado da Amazon? Eu perguntei à equipe do tablet Nexus se a empresa tinha decidido perder dinheiro na venda de cada tablet com a intenção de ganhar dinheiro vendendo livros, filmes, música e programas de TV. O Google reconhece que não terá lucro quando vender o tablet em seu site –e portanto perderá dinheiro com cada um que vender em uma loja.

De qualquer forma, o Nexus 7 é bem equipado – para um tablet de US$ 200. Ele tem Wi-Fi, Bluetooth, bateria com duração de nove horas, uma tela brilhante e bem nítida, um alto-falante mono com volume alto e função GPS. Um tablet Android de 7 polegadas funciona como um navegador GPS sensacional.

O hardware carece apenas de algumas poucas coisas. Há uma câmera na frente para chamadas por vídeo, mas não há câmera na traseira. A bateria não é removível. Não há opção de celular; você pode se conectar à Internet apenas por Wi-Fi. E como não há slot para cartão de memória, os oito gigabytes de armazenamento interno são tudo o que você terá. (Você pode comprar um modelo de 16 gigabytes por US$ 50 a mais.)

O que o Nexus 7 tem que nenhum outro tablet tem no momento, entretanto, é a versão mais recente do Android 4.1, chamado de Jelly Bean. Parte da vida da Android-lândia é nunca saber se uma atualização do programa Android estará ou não disponível para sua marca e modelo.

O Jelly Bean oferece dezenas de novas funções. Por exemplo, passar seu dedo na tela produz a tela Google Now: pequenos "cartões" contendo informações que ele acha que poderiam ser úteis para você agora, com base em sua localização, história do local, calendário e buscas no Google. Se você procurou recentemente por um time esportivo ou um voo, por exemplo, você vê os resultados mais recentes ou status do voo. Clima, trânsito e compromissos também fazem parte dessa função intrigante, mas que ainda não está totalmente desenvolvida.

Agora você pode salvar uma cidade inteira do Google Maps em seu tablet, para que não precise de conexão de Internet para navegar. Isso é útil quando você viaja ao exterior.

A função "fale para digitar" do Android agora também funciona mesmo sem conexão de Internet. (O iPad e iPhone não fazem isso). Ela funciona melhor se você estiver online, mas pelo menos você tem a precisão básica sem uma conexão.

Mas a mudança mais importante, de longe, é a homogeneidade. Os engenheiros do Google não mediram esforços para deixar o Android 4.1 com a mesma resposta ao toque que, bem, o outro tablet líder de mercado. Todas as animações rodam em velocidade super-homogênea de 60 quadros por segundo. O Google diz que tenta antecipar qual será seu próximo toque, e começa a redesenhar a tela naquele ponto.

Uau, funciona. O tablet do Google agora é bem Apple em sua resposta fluida ao toque. Todos os outros fabricantes de aparelhos com tela de toque devem prestar atenção.

Jelly Bean e loja de apps 

Infelizmente, o Android dá e o Android tira. Usando o Jelly Bean, seu tablet não mais executa vídeos Flash online, antes uma vantagem importante do Android sobre o iPad. Também, de modo bizarro, o Jelly Bean remove a capacidade de virar sua tela Home 90 graus no modo paisagem nos tablets de 7 polegadas. É vertical ou nada.


No Nexus 7, os aplicativos especiais do Google para leitura de livros eletrônicos, tocar música e vídeos são centralizados. Claramente, o Google está dando de tudo para duplicar a principal vantagem dos tablets da Apple e Amazon –suas lojas online bem integradas, bem estocadas, de livros, filmes, música e aplicativos.

Infelizmente, os esforços do Google para construir uma loja online estão apenas nos estágios iniciais. As prateleiras de sua loja são muito mais vazias do que as da Apple e da Amazon.

Por exemplo, a Amazon oferece 650 revistas e jornais digitais; o catálogo do Google é de apenas um terço. Nada de "New Yorker", "Time" ou "The Economist".

A loja de música do Google não tem nada da Warner, portanto nada de Green Day, Linkin Park, Regina Spektor, Led Zeppelin e assim por diante. Você pode baixar canções da Apple e da Amazon quantas vezes quiser; o Google permite que você baixe apenas duas vezes uma canção que você comprou.

Em sua loja de filmes, o Google não tem nada da Fox ("Era do Gelo", "X-Men", "Avatar" e assim por diante) ou da Summit (a série "Crepúsculo"). Sua loja de TV não tem nada da "CBS", "Fox", "WB", "HBO", "BBC", "MTV/Nickelodeon", "Showtime", "Discovery Networks", "A&E/History". Então: nada de "Mad Men", "Família Moderna", "Gossip Girl", "Family Guy", etc.

Mas o pior é que há poucos aplicativos específicos para tablet na loja do Google. Há centenas de milhares para iPad.

Mas o tablet Nexus é adorável. O funcionamento redondo de hardware e software rivaliza com o da Apple, e seu luxo humilha o Kindle Fire. Resumindo, é possível que este tablet possa finalmente ajudar a resolver o problema da "galinha e do ovo" do Google. Talvez assim que se torne popular, as pessoas finalmente passem a desenvolver aplicativos decentes para ele, e mais estúdios de cinema e gravadoras ingressem na loja Google Play.

Até lá, o iPad ainda é um pacote total mais atraente (hardware, software, loja). Mas com 9,7 polegadas, você nunca o colocará no bolso da camisa. Se algo menor, mais leve e bem menos caro tiver apelo para você, você se empolgará com o Nexus 7, mesmo se tiver que aguardar um pouco até que possa ter tudo que quiser ler, assistir e rodar nele.

 

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Últimas de Tecnologia



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos