Samsung

Poder (caro) em suas mãos: Note 9 chega ao Brasil por a partir de R$ 5.499

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

A Samsung anunciou nesta quinta (30) a chegada no Brasil do seu mais recente lançamento: o Galaxy Note 9, que foi apresentado no início do mês em Nova York (EUA). O UOL Tecnologia testou o aparelho nas última semanas e pode te dizer: ele é o melhor smartphone Android disponível no Brasil.

Mas, o preço para ter este smartphone em suas mãos é alto. No Brasil, o Note 9 vai ser vendido por:

  • R$ 5.499 - versão de 128 GB com 6 GB de memória RAM (cores preto e azul)
  • R$ 6.499 - versão de 512 GB com 8 GB de memória RAM (cor cobre)

Quem tiver condições de pagar o valor que a marca determinou vai ter um celular de altíssimo nível. Apesar de exagerado no tamanho, quase tudo encanta no smartphone. Entenda mais no vídeo acima e no review em texto completo abaixo.

A pré-venda da versão mais "barata" começa nesta sexta (31) e vai até 13 de setembro. No caso do Note 9 com 512 GB, o prazo vai até 28 de setembro.

Para efeito de comparação, os Galaxy S9 e S9+ foram lançados no início deste ano por R$ 4.299 e R$ 4.899, respectivamente. No ano passado, o Note 8 chegou aqui custando R$ 4.399 e R$ 4.799, em suas versões de 64 GB e 128 GB. O principal rival da linha Note, o iPhone X, tem preços de R$ 6.999 (64 GB) e R$ 7.799 (256 GB).

Lá fora, o Note 9 manteve o mesmo preço do iPhone X (US$ 999) na versão mais simples em seu lançamento, mas a Samsung conseguiu trazer o produto ao Brasil por um preço mais baixo que a rival Apple.

É diferente

O ponto principal que envolve o Note 9 é o seguinte: o smartphone é diferente de outros celulares. A começar pelo tamanho avantajado e exagerado: são 6,4 polegadas só de tela em um aparelho que me causou incômodo no uso diário -- eu particularmente prefiro dispositivos mais enxutos como o S9 e o iPhone X. Para quem curte smartphones desse tamanho, vai fundo.

Veja também: 

A novidade da Samsung "engordou" um pouquinho, o que também prejudica a usabilidade. Mas esse "trambolho" é perfeito para ver filmes e séries. Em testes feitos por sites especializados internacionais, o display do Note 9 foi eleito o melhor entre todos os smartphones.

Mas nem tudo é diferente. Por exemplo: o design é um pouco do mais do mesmo que a gente já viu em quase todos os celulares recentes da Samsung. A tela infinita e com poucas bordas é maravilhosa, mas não há nada revolucionário, e o smartphone acaba se confundindo fácil com o S9, S8, Note 8, A8...

Câmera do S9+, mas com algo a mais

Pode confiar: a câmera do Note 9 é incrível e não vai te decepcionar. Mas ela tem pouca coisa realmente nova. As imagens tiradas com o celular saem, na grande maioria dos casos, com ótima qualidade e contraste bem rico das cores, mesmo em condições adversas de iluminação.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Câmera do Galaxy Note 9 em local com iluminação focada no palco

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Galaxy Note 9 de dia com a luz ambiente

Ela conta com a mesma abertura variável vista no S9+ e que muda a entrada de luz de acordo com o ambiente. A câmera traseira ainda é dupla e faz fotos com o fundo desfocado, que a Samsung chama de "Foco Dinâmico". A qualidade desse modo no Note 9 foi melhorada e a companhia se aproxima cada vez mais da Apple nesta tecnologia.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Câmera principal do Galaxy Note 9 sem o modo retrato

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Câmera principal do Galaxy Note 9 com o modo retrato

A única diferença das câmeras do Note 9 para a do S9+ está em uma nova inteligência artificial colocada na câmera traseira. Também vista em outros celulares como o LG G7 ThinQ e o Zenfone 5, ela consegue identificar o que você está fotografando e fazer melhorias antes de você registrar a imagem.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Câmera do Note 9 reconhece comida, dando mais contraste, cores e textura

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Foto com a câmera do S9+ - basicamente a mesma do Note 9, mas sem AI

A inteligência artificial, atualmente, identifica alguns elementos da imagem como pessoas, construções e comida. No teste feito com alimentos, o que deu para notar é que a câmera automaticamente deu uma turbinada no contraste da foto, deixando algumas cores mais vivas do que outras. O recurso funcionou na maioria dos casos testados, principalmente para comidas.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Vai dizer que esse hambúrguer turbinado pela AI não parece ainda mais saboroso?

A inteligência da câmera ainda consegue identificar se uma pessoa piscou ou se a imagem ficou borrada - ele avisa para que você possa tirar outra foto. Nos meus testes isso não funcionou sempre, mas o smartphone foi útil quando o aviso foi dado.

A câmera de selfie do Note 9 também é muito boa e raramente vai te decepcionar, mas está atrás da câmera frontal do iPhone X -- o celular da Apple é turbinado graças aos equipamentos usados também para o Face ID. O único quesito em que ela supera o iPhone X é em ambientes escuros.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Selfie com o Galaxy Note 9

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Selfie com o fundo desfocado no Galaxy Note 9

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Selfie em modo panorâmico no Galaxy Note 9

São dois modos extras para fotografar, além da selfie normal: existe um "foco da selfie" que desfoca o fundo, mas a qualidade desse modo feito via software é pobre e as imagens costumam parecer embaçadas. Já um modo panorama é bem legal por aumentar a área captada na foto, assim você consegue colocar mais pessoas nela sem auxílio de pau de selfie.

Baita desempenho, mas bateria melhora pouco

O grande espetáculo do Note 9 é o seu desempenho. Assim como outros tops de linha, o smartphone mostra uma potência de causar inveja. Tudo o que eu fiz no dispositivo fluiu tranquilamente e a alternância entre aplicativos é suave -- ao sair de uma rede social para a outra, o feed carrega quase que instantaneamente.

Esse desempenho espetacular é importante principalmente para jogos. Com uma tela gigante, o smartphone é uma ótima pedida para quem curte jogar no celular, e E não foi à toa que o Note 9 foi um dos primeiros aparelhos a contar com a versão do Fortnite, o jogo do momento, para Android -- jogos pesados carregam com rapidez no aparelho.

Lucas Lima/UOL
Traseira do Galaxy Note 9, da Samsung

Em teste de benchmark feito com o app Geekbench 4, o Note 9 pontuou 2.895 quando considerado um núcleo e 7.266 ao serem considerados todos os núcleos. É um número bom, mas não muito alto para tops de linha -- está atrás do líder iPhone X e do LG G7 ThinQ, por exemplo. Mas aqui cabe a ressalva: a versão testada por nós é a europeia e conta com um processador Exynos da Samsung -- o modelo brasileiro terá o também poderoso Snapdragon 845.

Outro ponto ressaltado pela Samsung é a bateria. A energia do aparelho foi aumentada numericamente em relação ao ano passado: agora são 4.000 mAh. Mas na prática não senti uma mudança tão absurda. O aparelho em um uso moderado pode até durar um pouquinho mais de um dia, mas você provavelmente terá que carregar ele sempre ao fim do dia -- se usar bastante para vídeo e jogos, com certeza terá que recarregar diariamente.

Biometria ainda é inferior; caneta melhora

Entre os recursos extras principais, a biometria é o que mais deixa a Samsung inferior à concorrência do iPhone X. A Samsung tem seu reconhecimento facial que não é tão seguro quanto o Face ID da Apple e aposta mais no reconhecimento de íris. Esse desbloqueio, contudo, não é útil para pessoas que usam óculos e também não funciona em ambientes escuros.

Ao menos a Samsung manteve a possibilidade de biometria por leitor de digitais na traseira -- o local não é excelente, mas foi melhorado em relação ao ano passado. Outro aspecto que deixa a Samsung como resistência é a entrada P2 para fone de ouvido, que cada vez mais some entre os celulares tops de linha.

Um grande diferencial do Note 9 em relação a outros celulares é a tradicional caneta S Pen que acompanha o smartphone. Desta vez, ela foi melhorada para ficar mais útil: agora, funciona como um controle remoto. Graças ao bluetooth, é possível abrir câmera, tirar foto, mudar música, alterar slides e mais com um simples toque na caneta. Segundo a marca, o bluetooth funciona a até 10 metros de distância.

Mesmo com o novo recurso que deixa o objeto mais interessante, eu ainda confesso: tirei poucas vezes a caneta do compartimento interno do aparelho e muitas vezes até esqueci que ela existia. Continua sendo algo supérfluo para celulares.

A Samsung ainda conta com outros recursos interessante no Note 9, como a multijanela entre apps que é especialmente boa em um celular desse tamanho. O Note 9 ainda vem com o Android Oreo. Infelizmente, não é possível saber quando ele será atualizado para o Android Pie -- provavelmente isso demorará vários meses.

Já a Bixby, assistente virtual da Samsung, continua praticamente irrelevante - só é legal a Bixby Vision na câmera, que dá mais informações do objeto sendo fotografado. O botão próprio para a Bixby, no lado esquerdo do celular, é ainda uma das coisas mais irritantes da Samsung. 

Vale a pena?

Se você esquecer o preço, a resposta a essa pergunta é na lata: vale a pena. O Note 9 tem tudo para ser um dos melhores smartphones Android já lançados e, por enquanto, reina sozinho no Brasil na sua linha entre esse sistema operacional.

É bom frisar que o Note 9 soa às vezes como apenas uma versão mais cara - e com poucos recursos a mais - do S9+. Compare e veja que uso vai dar para o aparelho, eles costumam atender a públicos diferentes.

O aparelho ainda é especialmente bom para quem não se importa com seu tamanho exagerado -- muitas vezes, é complicado utilizar ele no dia a dia com esse exagero de tela. Mas telas maiores já são uma tendência e todos os rumores apontam que daqui a 15 dias a Apple lance um novo dispositivo com uma tela até maior que o Note 9.

Direto ao ponto: Galaxy Note 9

Tela: 6,4 polegadas Super Amoled
Sistema Operacional: Android 8
Processador: Snapdragon 845 octacore
Memória: 128 GB ou 512 GB de armazenamento e 6 GB ou 8 GB de RAM
Câmeras: traseira dupla (12 MP) e frontal (8 MP)
Dimensões e peso: 161.9 x 76.4 x 8.8 mm e 201 gramas
Bateria: 4.000 mAh
Cores: azul, preto e cobre
Pontos positivos: câmera traseira, design e desempenho
Pontos negativos: tamanho exagerado, peso e preço
Preço: US$ 1.000

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos